Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Meu melhor amigo me arrombou toda | Teens | Acervo de Contos

Meu melhor amigo me arrombou toda

Olá, meu nome é Danielle e o conto que vou narrar abaixo é totalmente verídico. Sou de Campinas, interior de São Paulo. Tenho 1,62 de altura, 50 kg bem distribuídos, cabelos lisos e castanhos com luzes, olhos azuis, peitos grandes, bunda média e coxas bem definidas. Bom, meu melhor amigo, Pedro tem cabelos claros e cacheados, olhos verdes, magro, corpo bem definido e alto, um verdadeiro tesão. Sempre tivemos um relacionamento bem aberto, falavamos sobre tudo um com o outro. E em uma dessas conversas, estavámos falando sobre sexo. Ambos erámos virgens e ele me perguntou: ' Dani, com quantas anos você quer transar? ' - eu respondi: ' Não sei,  ' ele: ' Se eu pudesse hoje mesmo hahahaha ' então eu disse: ' É, mas eu quero fazer sexo com alguém que eu confie e ame muito. ' ele: ' Tipo eu? ' e eu respondi: ' hahahaha é ' então conversa vai, conversa vem, Pedro disse: ' Vamos fazer um pacto? ' eu: ' Que tipo de pacto? ' ele: ' Vamos perder a nossa virgindade aos 16? ' eu concordei na hora e então ele selou o nosso pacto com um beijo. E ele beijava bem, e tinha uma pegada... Neste momento, mal sabíamos que iríamos concretizar o pacto muito antes disso...Passaram-se 2 semanas e havia uma festa na casa de um amigo nosso. Eu e Pedro fomos juntos e ele me disse que eu estava linda. Eu estava vestida com uma mini saia super curta branca de babados, que talvez se eu me abaixasse pra pegar alguma coisa, ela mostrasse toda a minha bundinha, com uma calcinha fio dental vermelha enfiada todinha no meu rêgo, e com uma blusinha rosa claro, sem sutiã e com um sapato de salto alto nude. Pedro estava com uma bermuda xadrez sexy, que deixava sua bunda tonificada mais gostosa do que nunca, sapatênis e uma blusa verde que realçava seus olhos. Chegamos na festa e eu reparei que o pinto do Pê estava duro debaixo da calça e ele me olhava com desejo. Deixei ele com os amigos e fui com minhas amigas. Uma meia hora depois, fui procurá-lo, mas não o encontrei. Decidi então ir ao banheiro. Porém, na casa do meu amigo há apenas um banheiro no andar de baixo. Então subi ao segundo andar e entrei no quarto do meu amigo, pois sabia que lá tinha um banheiro. Ao abrir a porta do quarto me assustei com a seguinte cena: Pedro, com o pinto pra fora da bermuda, se masturbando loucamente. Paralisei. E ele também. Fiquei hipinotizada olhando aquele menino lindo, segurando seu pinto grande de uns 20 centímetros e duro. Pedro se recompôs e disse: ' Dani, vem cá, eu não aguento mais ! Eu preciso transar com você, você só me provoca e me deixa cada vez mais excitado com essas roupas sexys e curtas e dançando funk até o chão lá embaixo na pista de dança ! Eu não aguentei e subi aqui em cima pra bater uma punheta ! ' Eu fiquei sem palavras, com o Pedro, de pinto na mão, se declarando pra mim. Sem dizer uma única palavra, sentei-me ao seu lado na cama e comecei a beija-lo. Ele se surpreendeu, mas logo correspondeu ao meu beijo. Ficamos nos beijando, e ele começou a passar a mão na minha bunda, levantando minha saia, mordendo meu pescoço e acariciando meus peitos. Eu já estava ficando molhadinha com aquilo, não perdi tempo e comecei a bater uma punheta pra ele. Ele então, com uma mão apertando meu peito, por debaixo da blusa, e com a outra afastou a calcinha de lado e ficou passando seus dedos no meu grelhinho. Lembrei-me que a porta estava aberta, interrompi seu beijo, me levantei e fui fechar a porta. Dei um sorrisinho safado e comecei a rebolar, ao som da música que tocava lá embaixo, até o chão e o pinto do Pedro ficava cada vez mais duro. Rebolando, comecei a levantar minha blusa, e Pedro, delirando, me puxou e colocou-me em seu colo. Começou a apertar loucamente meus peitos e a morder, lamber e chupar, deixando-me cada vez mais molhadinha. Louca de tesão, me agachei no chão e comecei a chupar seu pinto com ele dizendo: ' Isso, engole todo esse meu cacete, vai, enfia, enfia, aai que delícia, chupa ele todinho minha putinha linda. Mama, pega na minha vara e mama. ' E eu chupava todo aquele caralho com gosto, chupando até o final, com o Pedro empurrando minha cabeça pra baixo até as suas bolas. Até que ele anunciou ' Vou gozaaar, aiaiai vou gozaar, quer chupar minha porra? ' e eu respondi: ' Eu sou a sua putinha, só sua, vou chupar toda a sua porra! ' E então voltei a chupar, esperando o leitinho. Até que um líquido quente invadiu minha boca e eu ia chupando com cada vez mais gosto, chupei todo aquele gozo. Levantei-me e beijei Pedro e ele começou a me beijar e ia descendo por todo o meu corpo, tirou minha saia e a minha calcinha e até que chegou na minha bucetinha. Começou a passar a língua ali, que já estava toda meladinha. Eu gemia de prazer. Então eu disse: ' Tem uma camisinha ai? ' e ele respondeu: ' Claro, toda vez que eu saio com você eu levo camisinha, to louco pra te comer a muito tempo gata. ' Então ele levou a mão na bermuda que estava no chão e pegou uma camisinha do bolso, sabor morango. Pediu que eu colocasse. Sem muita prática, fui colocando devagar, enquanto ele chupava meus peitos. Consegui colocar a camisinha e passei a lubrificá-la com minha boca. Pedro então, sugeriu que nós fizessemos um 69. Cai de boca naquele cacete novamente, enquanto ele lambia minha xana, me deixando cada vez mais excitada, eu gemia de tanto tesão e estava gozando na boca dele. Sem conseguir mais aguentar eu disse: ' Vai meu gostoso, enfia logo esse cacetão na minha xaninha ! Tira a minha virgindade, fode, arromba minha xanaaa ! ' ele então me deitou na cama e colocou só a cabecinha. Eu já estava ficando completamente louca de tesão, e ele me provocava, me deixando louca. Até que não aguentou e começou a enfiar aquele pau na minha bocetinha. Eu estava tão louca de tesão que nem doeu, porém senti o hímem se romper e o sangue descer. Mas nem me importei. Pedro continuou enfiando o pau, devagarinho, num vai e vem contínuo. Então ele conseguiu enfiar o cacete todo. Puta que pariu, que prazer. Ele foi aumentando a velocidade e me fodendo gostoso, nós gemiamos juntos. Ele estava me arrombando inteira, penetrando até as bolas em minha xana. Eu não estava aguentando e gozei. Ele tirou o pinto e chupou. Porém ele ainda não tinha gozado. Então me pediu: ' Posso comer teu cu? ' fiquei com medo de doer, mas também estava excitada com a ideia. Disse: ' Pode, mas vai devagar ta bom? Pra não doer tanto. ' Ele já foi me virando e me mandou ficar de quatro, com a bundinha empinada. Ele ficou super excitado ao ver minha bunda toda arrebitada, de quatro pra ele, então começou a morder minha bunda e lambê-la, abrindo minhas nádegas e roçando seu pinto entre elas. Então, ele começou a me chupar, para lubrificar meu cuzinho, porém não era preciso, já estava lubrificado com toda a minha excitação. Ele pegou sua vara dura, e começou a forçar na entrada do meu cuzinho. Doía, mas ficava uma vontade de quero mais. Pedro começou a enfiar mais rápido e com mais força, pedi para ir devagar, embora excitada, pois estava doendo. Mas ele estava louco demais para parar e não se aguentando, me segurou pela cintura, me puxou por traz e meteu todo o seu cacete de uma vez. Urrei de dor misturada com tesão e ele começou a enfiar cada vez mais rápido, arregaçando as pregas do meu cuzinho, arrombando ele inteiro. Ele bombou até que anunciou que ia gozar. Pediu para tirar a camisinha e gozar dentro do meu cuzinho, eu permiti, pois estava louca de tesão também. Ele então tirou a camisinha rapidamente e enfiou o pau novamente no meu cu, bombou mais um pouco e finalmente gozou, enchendo meu cu com aquela porrinha quentinha e deliciosa. Estavámos suados e exaustos, entramos no chuveiro e lá transamos mais uma vez, fazendo sexo ainda mais selvagem. Terminamos e descemos, e Pedro me convidou para ir dormir em sua casa, pois seus pais estavam viajando. Liguei para os meus e disse que iria dormir na casa de uma amiga. Em sua casa, transamos muito, de todas as formas possíveis e em todos os cômodos da casa, mas esses já são outros contos. Estamos namorando e inovamos toda vez que transamos. Espero que tenham gostado. Um beijo, Dani safada.

 

Gostou? Vote no Conto:

116806 visitas