Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Ainda virgem | Teens | Acervo de Contos

Ainda virgem

Até a semana passada, eu sonhava em me casar virgem e sempre soube segurar os meus desejos ate conhecer o Raul. Raul era um cara maduro diferente dos rapazes que eu conhecia, muito paciente ele soube esperar o meu momento para avançar o momento em que eu quase implorei para que ele me possui-se. Já estávamos namorando a uns três meses e sempre que o clima esquentava eu pedia para ele parar. Paciente ele segurava a onda, esperava o clima acalmar e depois voltava a me provocar. A verdade era, que eu não estava mais conseguindo me segurar de tanta vontade de me entregar para o Raul e ele estava cada vez mais persuasivo na sua insistência, fazendo com que eu deixa-se toda molhada o forro da minha calcinha.Saímos de uma festa e ele rumou para o seu apartamento, insistiu para que eu subi-se pós uma musica suave e me serviu um drinque, começamos a nos beijar e logo suas mãos habilidosas começaram a percorrer meu corpo, pós meus peitos para fora da blusa e começou a chupar faminto, tomada de desejo, me deixei levar pelo tesão e permiti que ele tira-se o meu jeans ele foi descendo cuidadosamente me beijando o ventre e quando tentou tirar a minha calcinha eu segurei na sua mão e tornei a afirmar para ele que eu era virgem e ele me disse que não iria tirar a minha virgindade mais iria me mostrar como eu poderia ser mulher, ter prazer sem precisar transar ou ate transar sem perder a virgindade. Na hora pensei, os homens são todos iguais, sempre dizem que não vão abusar mais não perde a primeira oportunidade de tocar cada parte do seu corpo e perguntei como uma mulher pode transar e continuar virgem e ele respondeu, relaxa e deixa isso comigo. ele voltou a beijar meu ventre, foi descendo e começou a beijar e a morder a minha bocetinha sobre a calcinha, beijou a parte interna das minhas coxas e voltou a beijar a minha calcinha, passava a sua língua entre a minha coxa e a minha calcinha me arrepiando e logo em seguida ele pressionou diretamente a sua língua sobre a minha calcinha úmida me fazendo suspirar de tesão e eu nem percebi quando ele jogou a minha calcinha para o lado e começou a chupar diretamente a minha bocetinha que esguichava meu prazer na sua boca. Sim, eu já estava pronta para me entregar para o Raul mais essa noite não passou disso e no dia seguinte eu passei o dia todo sentindo a minha bocetinha piscando de tesão e a noite voltei ao seu apartamento fiquei aguardando no corredor ate ele chegar do trabalho e fomos direto para a sua cama e desta vez eu estava completamente nua e novamente o Raul foi maravilhoso, ele me abria e enfiava a sua língua o mais fundo possível, ele me comeu só com a sua língua e depois que eu gozei bastante ele se deitou por atrás e me abraçou, ficamos curtindo um pouco aquele momento mais eu ainda queria mais e comecei a esfregar a minha bunda naquele cacete duro feito pedra. Então ele levantou um pouquinho a minha perna e meteu o seu cacete entre as minhas coxas e começou a fazer um vai e vem, eu estava muito molhada e sentia ele escorregar fácil entre as minhas coxas, entre uma e outra estocada as vezes ele apontava como se fosse me invadir mais foi o próprio Raul que não permitiu que isso acontece-se e novamente eu sai virgem daquele apartamento. Fui para minha casa, tive um sono intranqüilo e acordei possuída de desejo, me masturbei ainda na cama enquanto falava com o Raul pelo telefone, levantei e fui tomar um banho e me masturbei novamente em baixo do chuveiro, fiquei o dia todo agoniada olhando para o relógio querendo que desse logo a hora do Raul chegar do serviço e lá estava eu novamente em pé no corredor aguardando o Raul chegar, começamos a nos beijar no corredor, entramos e as roupas começaram a cair pelo chão enquanto nos dirigíamos para a sua cama. O Raul me pós de quatro sobre a sua cama e se ajoelhou por trás, nessa posição a sua língua me invadia mais um pouquinho e eu esguichava todo o meu prazer no seu rosto, ele se levantou e ficou pincelando seu cacete na entrada da minha bocetinha, eu mordia o travesseiro cheia de tesão só esperando a hora de ser invadida a qualquer momento e finalmente quando ele me penetrou, eu pedi para que ele tira-se por que estava doendo muito, eu projetei meu corpo para frente para tentar fugir mais ele me acompanhou deixando seu corpo cair sobre o meu me penetrando ainda mais. Depois de alguns minutos imóvel ele retomou o vai e vem e aquela dor aguda já havia passado, eu podia sentir o seu cacete deslizando dentro do meu cuzinho e enquanto ele metia massageava o meu grelinho me fazendo gozar com o seu cacete no meu rabo, fiquei maravilhada em ouvir seus urros de prazer quando ele gozou e eu também gozava ao sentir cada latejada que o seu cacete dava dentro do meu cuzinho. O safado Raul cumpriu o que prometeu e me fez mulher sem tirar a minha virgindade me mostrou que eu podia ter uma relação sem penetração ou ter penetração e continuar virgem, só que ele não quer nem ouvir falar em casamento e eu estou doida para perder meu cabaçinho molho a minha calcinha só de pensar no cacete do Raul me rasgando, mais no cuzinho todo dia não dá e do jeito que eu ando me masturbando agora vou acabar perdendo meu cabaçinho para meus próprios dedinhos.    

 

Gostou? Vote no Conto:

28769 visitas