Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Primeira vez a cinco | Orgias | Acervo de Contos

Primeira vez a cinco

Eu me considero uma mulher bonita, sou loura, olhos azuis, magra, alta, enfim, costumo chamar bastante a atenção por onde passo. No entanto, na época em que aconteceu o que irei contar eu estava com a auto estima em baixa, recém saída de um casamento fracassado. Eu até me considerava frígida, casei nova, tinha tido muito poucas experiências antes do casamento e nenhuma delas havia me convencido de que sexo fosse realmente importante para mim... Eu moro na praia e em sinal de apoio moral pelo final do meu casamento, alguns amigos e meu irmão vieram passar o ano novo comigo. Eram um casal de espanhóis, meu irmão, que há anos mora na Europa e um amigo dele, alemão.

Meu irmão se parece bastante comigo e apesar de namorador, nunca chegou a casar.

O casal de espanhóis eu havia conhecido em uma viagem de férias com meu irmão e meu ex. O marido era interessante, um tipo moreno, com cabelos negros e lisos e um sorriso belíssimo. A mulher era maravilhosa, também morena, com cabelos ondulados e castanhos, olhos verdes, um corpo com curvas que pareciam irreais. Seus seios eram absurdamente redondos e bonitos e ela os valorizava usando decotes provocadores todo o tempo. Acho que mesmo a mulher mais hetero do mundo sentiria tesão por ela, Ana é o seu nome. Artur e Ana.

O amigo do meu irmão é o oposto do que imaginamos para um alemão. Cabelos escuros, pele naturalmente bronzeada e olhos cor de mel, muito charmoso também, não entendi como um homem desses podia ainda estar sozinho em seus quase quarenta...

Bem, eles chegaram um dia depois do Natal e estávamos nos divertindo bastante. A turma era super animada. Consegui esquecer da tormenta do último ano, arrumávamos festa para todos os dias, bebíamos bastante, ríamos de tudo, passávamos o dia na piscina nos dourando ao sol.

Confesso que, devido ao meu estado de espírito, nenhum pensamento de natureza sexual havia me passado pela cabeça... Isso, até a noite do reveillón... Já havíamos bebido muita champagne e fomos todos para a praia pular as ondas, como manda a tradição. Estávamos todos de branco, corpos brozeados, o álcool havia nos liberado de todo e qualquer pudor... Quando deu meia noite, fomos nos cumprimentar e entre um abraço e outro, quando fui desejar feliz ano novo para a Ana, ela me abraçou forte e me deu um beijo de língua! Eu nunca esperaria por isso, mesmo porque o marido dela estava do nosso lado! Mas confesso que deve ter sido o melhor beijo da minha vida, um beijo quente, molhado, sua língua era macia e sabia explorar minha boca a ponto de me deixar tonta! Fiquei sem graça quando o beijo terminou, porque estava super excitada e me sentia constrangida ao mesmo tempo. Apesar do meu constrangimento, todos os outros estavam agindo como se tudo aquilo fosse normal e aí então fiquei chocada! Meu irmão e o Peter, seu amigo alemão, estavam também se beijando na boca! Eu estava meio tonta com a champagne e nem conseguia mais raciocinar sobre o que era normal ou não naquela noite.

Na sequência, voltamos para casa e sentamos todos na sala com uma musiquinha no fundo, começamos a falar de qualquer coisa sem importância e quando me dei conta estávamos somente eu e Ana na sala...Tremi de nervoso... Tremi de tesão me lembrando do beijo da praia e de mede de querer ir além com ela... Sem dizer mais nada ela se aproximou de mim, passou a mão pela minha cintura e me calou com um beijo ainda melhor. Eu queria negar, queria afastá-la, já que tudo era tão novo e proibido para mim, mas não tinha forças... Até acho que pedi para ela parar, mas quanto mais eu pedia, mais eu queria que ela continuasse, e ela sabia disso, sabia do seu poder, do cheiro de sexo que saia do meu corpo... Ela continuou com sua língua maravilhosa pelo meu pescoço e com uma habilidade incrível, desabotoou minha blusa, deixando meus seios livres, duros de tesão, a mostra... Ela começou a mamar em mim com tanta sede, com tanto desejo e eu só queria que ela continuasse... Nessa hora eu já não pensava em mais nada e já estava arqueando de tanto tesão. Acho que urrei, me contorci, não tinha mais o menor controle sobre o meu corpo. Imediatamente quis também sugar aqueles seios morenos e maravilhosos dela, mas ela firmemente disse que não, que era vez dela e que eu deveria ficar quietinha, obedecer suas ordens. Apesar de não deixar tocá-la, era tirou toda a roupa e ficou exibindo sua nudez maravilhosa para mim...

Depois dos seios ela desceu com sua língua até meu umbigo, enquanto isso, seus dedos habilidosos começaram a tatear minha buceta, que a esta altura já estava latejando de tesão! Que dedos tinha aquela mulher! Ela entrava e saia de dentro de mim, ao mesmo tempo em que brincava com meu clitóris e eu explodi em gozo, uma, duas, três vezes consecutivas. Só de lembrar agora, já estou gozando de novo!!!

Quando estava quase desmaiando de tanto gozar, aparece o Artur, também nu, com o pau duro, gigante e brilhante apontando para meu rosto.

Levei um susto, mas ele não me deu tempo para nada e meteu aquele cacete enorme na minha boca. Eu estava com tanto tesão que comecei a chupar ele que nem uma louca quando vejo a Ana se masturbando com um pênis vibratório no outro sofá. Ela urrava e gozava e ela gemia e metia o pau cada vez mais fundo na minha boca, indo tão fundo que eu quase tinha vontade de vomitar! Apesar disso eu continuava me esforçando para fazer ele gozar, pois estava com vontade de beber aquela porra toda.

De repente, tive a maior surpresa de todas! A Ana levantado sofá com o cacete vibratório dela, encaixa ele num cinto que fazia parecer que o pau era dela, passa um óleo de brozear que estava em cima da mesa no cacetão e enraba o Artur! Ela enfiou de uma vez, sem dó nem piadade, o pau no rabo do Artur e eu com o cacete dele na boca! O homem deu um urro de prazer enorme e eu fiquei ainda mais excitada, eu chupava ele como nunca havia chupado ninguém na minha vida, e a Ana entrando e saindo de dentro dele. Que delícia era ver aquele homem enorme se entregando como uma bichinha prá gente, rebolando pro cacete encaixar melhor dentro dele, gozando muito. Ele gozava aos poucos, bem gostoso e eu ia aos pouquinhos tomando aquela porra deliciosa.

Mas como a loucura da noite ainda era pouca, saem também nus, do outro quarto, meu irmão ( que eu não via nu desde que tinha 10 anos!) e o Peter (esse sim com o maior pau que já vi na vida ).

Meu irmão agarrou a Ana por trás e meteu a vara no cuzinho dela. Era uma cena surreal. Ele com o pau no cu dela e ela com o pau artificial no cu do Artur, que parecia ia aguentar ser enrabado a noite toda.

Nisso, o Peter me puxa e também dá uma chupadinha no Artur, deixando escorrer uma porrinha pelo canto da boca dele, que eu prontamente bebo, lambendo sua boca. Ele me pega, me vira de costas e começa a enfiar o pau na minha buceta, eu com as pernas fechadas, bunda bem arrebitada e ele com as pernas abertas, por cima. Ele entrava e saia cadenciadamente, eu vi estrelas, tive um orgasmo múltiplo absurdo, gritei, gemi, tremi, chorei com aquele cacete em mim. E eu estava insaciável, queria mais e mais, e ele me deu, me comeu de todas as formas possíveis e não gozava, continuava com o pau cada vez mais duro, cada vez melhor. Enquanto isso, Ana havia trocado de posição e agora, a dominadora estava comendo o rabo do meu irmão, que parecia estar gostando muito, e o Artur estava chupando o pau dele...Por falar em cu.... O Peter usou o mesmo óleo bronzeador que a Ana tinha usado, passou por todo o seu pau, me colocou apoiada na mesa, com o cu virado para ele e enfiou aquele cacete enorme no meu cu virgem! Dei um grito de dor, doeu muito mesmo! Mas o sacana alternava entre me comer pela buceta e me fazer gozar e depois meter no meu cu latejante e no final eu já estava gozando por todos os orifícios do meu corpo! Nem sei quanto tempo ficamos nessa nada dele gozar, eu já nõ aguentava mais! E ele me largou e foi comer meu irmão... mas com ele foi uma transa de carinho e os dois gozaram juntos um gozo do qual tive inveja... acho que estavam apaixonados mesmo... E eu fechei minha noite com chave de ouro. Finalmente voltei para a Ana, nos chupamos muito, meti todos meus dedos nela, brinquei com seu pau de mentira e lambi todo o mel da gozada que ela me disse ter sido a melhor da sua vida!

Quem poderia querer uma noite melhor do que essa? Só de lembrar estou gozando de novo....

 

Gostou? Vote no Conto:

50019 visitas