Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Ninfomaníaca  | Orgias | Acervo de Contos

Ninfomaníaca 

A sexualidade também entrou cedo na minha vida assim como acontece na vida de milhares de pessoas pelo mundo a única diferença é saber o que fazer e como viver com ela, a partir deste dia. 



Eu ainda era muito novinha quando me interessei por um rapaz no colegial, nos beijávamos as escondidas enquanto a sua mão atrevida percorria o meu corpo, a impedi várias vezes, mas uma hora sua mão violou a minha calcinha e quando ele tocou no meu grelinho, estremeci, nunca tinha sentido nada igual ate então e se antes eu tentava impedi-lo de por a mão, agora eu a segurava firme para que ele não a removese. Ouvimos passos no corredor, alguém inoportuno se aproximava e tivemos que parar bruscamente o que estávamos fazendo, subimos as escadas do colégio correndo e entramos numa sala vazia, olhamos pelo vitral da porta a procura de alguém, não vimos nada e nos sentimos seguros novamente, voltamos a nos beijar e desta vez a sua mão atrevida queria remover a minha calcinha de qual quer jeito, ela acabou ficando toda enlarguescida de tanto que nos puxamos. Ele já estava quase lá, com seu cacete duro para fora das calças pronto para me possuir quando seus cinco amigos entraram na sala, me levantei da mesa rapidamente já abotoando a minha blusa para esconder meus peitos que estavam expostos minha saia havia abaixado quando eu me levantei, tapando a minha xaninha e minha calcinha enlarguescida foi parar no meu pé assim que eu dei o meu primeiro passo para fugir daquela sala.



Certamente vocês já devem ter escutado uma história dessas: se você não der para gente também, geral no colégio vai ficar sabendo e foi exatamente isso o que aconteceu, era tudo armado entre eles para me atraírem para aquela sala vazia e uma vez presa em suas teias a presa não teria como fugir, ainda não havia rolado nada, mas eu estava muito excitada e as evidencias provavam ao contrário eu estava sem calcinha e ele com o cacete duro para fora das calças. Eu relutava em aceitar a proposta, mas estava literalmente acuada num canto da sala e eles diziam que só iriam me liberar quando todos tivessem gozado. O colégio silenciava, lá de cima dava para ver os últimos alunos saindo na portaria, as luzes se apagaram e o eco se tornava mais alto a cada minuto que passava , eu não via uma outra saída daquela sala sem fuder com eles, a minha inibição ficou oculta na penumbra e eu arrisquei segurar em seu cacete, eles me deitaram sobre uma mesa eu levantei as minhas pernas permitindo que eles me tocassem e os seis se revezaram entre a minha boca e a minha xaninha. 



Eu estava começando a aprender sobre a sexualidade, dando os meus primeiros beijos, ganhando as primeiras chupadas nos peitinhos e recebendo os meus primeiros toques no grelinho, acompanhados desta sensação de prazer que tremulava todo meu corpo, sim eu desejava ser possuída por um macho e queria muito que o seu cacete fosse bem grande e groso e que fosse me abrindo toda por dentro me fazendo gozar, eu já estava pronta para ter a minha primeira experiência e descobrir o que na verdade era o sexo, eu só não imaginava que a minha vida sexual começaria com seis rapazes numa orgia dentro do colégio. E que na minha primeira experiência eu chuparia e seria possuída pelos seis cacetes de uma só vez perdendo as contas de quantas vezes eles me fizeram gozar, era uma sensação tão gostosa que eu não queria mais parar de dar a minha xaninha para eles, mas depois que todos estavam satisfeitos me deixaram lá com a xaninha toda melada e pingando, saíram pela janela, eles escalaram o parapeito ate uma escada de acesso para a caixa d'água, desceram e sumiram.



No dia seguinte os procurei brava por ter sido abandonada no colégio e a maneira que eles encontraram de se desculparem foi me levar para casa de um deles e novamente transar com os seis e mas o irmão do dono da casa essa nova experiência agora com sete rapazes também foi muito prazerosa porque todos eles queriam me fuder ao mesmo tempo, só que um pouquinho mais dolorida, agora eles também queriam fuder o meu cuzinho e mesmo ficando toda assada, a sensação de prazer depois era maravilhosa. Continuamos transando quase que diariamente e sempre aparecia um cacete novo para participar da nossa transa, a minha fama de ter ficado com dezenove rapazes de uma só vez circulou pelo colégio e meus pais me transferiram para uma outra cidade, lá tive vários namorados, transava quase todos os dias, mas nenhum deles conseguia me dar o prazer que eu queria, eu sempre queria mais e mais e não encontrava um homem que pude-se apagar o meu fogo eu só conseguia ter um prazer relativo quando conseguia dois ou três cacetes de uma só vez, mas no interior as pessoas não aprovam muito essa pratica e é difícil arrumar parceiros para fuder. Uma coisa que te dá tanto prazer não pode ser encarada como doença, sou obcecada por sexo sim, adoro fuder e daí o que isso tem de mais, sou uma ninfomaníaca assumida, quero mais que o mundo se exploda e termine juntinho comigo quando eu estiver gozando  

 

Gostou? Vote no Conto:

23729 visitas