Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Gangbang com a namorada na república dos | Orgias | Acervo de Contos

Gangbang com a namorada na república dos

Bom, para quem não leu o meu conto anterior, farei uma breve descrição de minha pessoa e da minha namorada.

Chamo-me Alisson, tenho 22 anos, pele clara e cabelos pretos, tenho 74 kilos e cerca de 1.75 m de altura, não faço academia nem nada do tipo, e gasto boa parte do meu tempo estudando, portanto não tenho aquilo que chamam de corpo atlético, porém estou em relativa boa forma. Minha namorada chama-se Fernanda, tem 24 anos, peitos pequeno/médios, uma bunda perfeita, branquinha.

Resumindo o nosso relacionamento, somos muito íntimos e temos uma vida sexual muito ativa, ela é ninfomaníaca, realmente adora sexo. Ela mantém relações sexuais com meus outros 3 colegas de república, desde que aconteceram os relatos de meu conto anterior.

Os acontecimentos narrados nesse conto aconteceram cerca de 3 meses após os relatados no conto anterior.

Eu e a Fer fomos convidados por um pessoal, para assarmos uma carninha e tomarmos uma cervejinha, e nós fomos, aliás, todo o pessoal aqui de casa foi. Chegando lá só havia a Fer de menina, pois nenhum dos rapazes levou a namorada, e como estudamos engenharia, não há muitas mulheres na turma que poderíamos chamar.

O churrasco correu bem, mas eu notei uma certa movimentação estranha, todos estavam de olho na Fer, ela estava vestindo um vestidinho preto, uma calcinha também preta (fio-dental) e sem sutien, e notei que o Wesley (um dos rapazes que mora comigo) estava cochichando com alguns dos outros rapazes, sempre olhando para a Fer. Chegou o momento que acabaram-se as cervejas, lá por umas 2 horas da manhã. Claro que não poderíamos parar tão cedo. Eu me ofereci para comprar mais cervejas, iria com o carro da Fer, buscar num disk-bebidas 24 horas. E perguntei se alguém me acompanharia... Todos se olharam, e ninguém se dispôs, nem mesmo a Fer, segundo ela, ela ficaria "Cuidando dos rapazes". Fui sozinho.

Levei cerca de 20 minutos, pois o local era um pouco longe, mas voltei depressa, minha intuição dizia que algo estava pra acontecer.

Ao chegar novamente no local do churrasco, o sobradinho (é assim que chamamos esses predinhos pequenos com apenas um ou dois andares sobre instalações comerciais) estava com as luzes da sacada apagadas, o que eu achei um pouco estranho. Ao tentar abrir a porta principal, me deparei com a mesma trancada. O som estava muito alto, e ninguém respondeu quando bati e apertei a campainha. Eu achei tudo aquilo muito estranho, e resolvi não ligar no celular de nenhum deles, ou da Fer, e sim arrumar outra forma de entrar, sabia que tinha uma outra porta para o apartamento deles no final do corredor, cheguei lá e consegui abrí-la, coloquei as cervejas no freezer na cozinha e quando abri a porta que separa a cozinha da sala, acabei me deparando com a Fer sendo fodida por 3 dos rapazes, enquanto os outros 12 estavam ao redor deles. O Wesley era o que estava fodendo a buceta da Fer, e ela estava com o pau dos outros dois dentro da boca. Quando eu entrei todos pararam por um instante, mas logo voltaram ao que estavam fazendo. Eu só pensava em como aquilo iria repercurtir na faculdade segunda-feira (e de fato, fiquei conhecido como "o namorado da putinha").

Enfim, ninguém deu a mínima por eu estar ali em pé perante toda aquela putaria, e eu realmente acho que todos já sabiam do histórico da Fer com a rapaziada lá de casa, a minha única reação foi adentrar a sala e esperar a minha vez.

Sentei-me num sofá próximo e fiquei observando enquanto me masturbava, a Fer gemia feito uma cadela no cio. Um dos rapazes gozou nos peitos da Fer. O Wesley não demorou muito e gozou na boceta dela, após ele gozar ela veio caminhando em minha direção com toda aquela porra escorrendo e me beijou o pescoço, e disse que me amava. Ela tirou meu pau pra fora e começou um boquete, o outro rapaz que estava sendo chupado anteriormente veio até nós e começou a meter na boceta dela, e não demorou muito pra gozar, quando foi gozar ele tirou e gozou pelas costas da Fer.

Ela logo me arrastou para o meio de todos e comecei a meter nela, enquanto ela chupava um outro cara e um terceiro esfregava a rola nos peitos dela. Ele logo se cansou e disse que queria meter, nos posicionamos de forma aos dois paus penetrarem-a e começamos um vai-e-vem, eu gozei primeiro, e logo senti que ele também estava inundando-a com uma série de jatos de porra quente. Me levantei e ela começou a limpar meu pau com sua lingua, enquanto o cara que ela estava chupando anteriormente gozava fartamente em seus cabelos. Enfim, ficamos nos revezando em sua boceta e sua boca por mais um tempo, até que eu não aguentei de cansaço e dormi ao som dos gemidos da minha puta. Quando acordei já era dia e ela estava cavalgando em cima de um de meus professores, que não estava lá anteriormente. Caminhei até eles e a Fer logo começou a me boquetear, ela me chamava de corno lindo enquanto era fodida pelo professor. Logo eu gozei, e ele também não aguentou muito tempo. A Fer desceu dele, e expôs sua boceta vermelha e enxarcada para todos. Começamos uma surra de pica em seu rosto, eu e mais 4 rapazes. No final a Fer já estava com o cabelo duro de tanta porra seca ali. Saímos do apto e fomos para casa, já era dia, ela de vestidinho e sem calcinha, claro, e havia uma mistura de porra e o melzinho dela escorrendo as suas coxas, no caminho paramos num supermercado bastante movimentado para que ela pudesse expor aquilo para algumas pessoas. Por fim fomos para casa e dormimos o dia todo, algumas vezes eu acordava com ela me chupando, como de praxe.

Se conseguir boas notas, mais pra frente contarei como transamos bêbados na praça do condomínio em que meus pais moram. Até mais.

 

Gostou? Vote no Conto:

56809 visitas