Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Chupe-chupe com a professora de línguas | Lésbicas | Acervo de Contos

Chupe-chupe com a professora de línguas

Água quente caindo sobre nós duas. Vapor d? água preenchendo todos os cantos do banheiro. Uma energia de amor e tesão. Uau... Estamos nuas! Delírio! Peço-a que me belisque, pois ainda não acredito que estou no banho com ela. Eliana sorri e me abraça sob a água. Beijamo-nos e nos agarramos.

Sinto meu corpo amolecendo... Minha vagina inundando de prazer! Seus cabelos pretos, lisos, compridos e molhados deixando-a ainda mais linda. Seus belos seios, de bicos duros, prontos para recepcionar meus lábios macios... Apertam os meus. Sua língua em minha boca. Seus pés, a todo instante, roçam-me na altura da batata da perna. Suas mãos, quando não estão apertando-me nas costas e deslizando sobre minha nuca, acariciam-me no bumbum. (eu amo suas mãos) Seu joelho esfrega-me na xana... Eu deliro!

Eliana faz carinhos em meus cabelos loiros, lisos, compridos e molhados sob a água, arrumando-os para trás. Segura em minhas bochechas e beija-me na boca. Minhas pernas tremem... Meu corpo esquenta ainda mais. Seios estão pesados. As minhas contrações vaginais aumentam fazendo-me retrair o quadril e inclinar o pescoço. Fecho meus olhos e mordo meu lábio inferior da boca. Muito excitada! Sorrimos entre beijos de língua. Gememos entre carícias. Corpos molhados pressionando-se... Apertando-se! Meu Deus, que delícia estar no banho com Eliana!

Meus dedos acariciam seus lábios da vagina e clitóris. Penetram-na. Eliana geme e segura em meu pulso. Enfia e tira meus dedos a seu bel prazer! Ela cerra os olhos e oferece-me o pescoço liso e macio. Eu a pressiono, nos azulejos frios, e cravo meus dentes. Eliana geme, fecha suas pernas e deixa seu orgasmo aflorar... Sinto meus dedos recebendo seu líquido quente... Seu corpo treme! Chupo-a nos seios e massageio-a no clitóris sensível. Eliana observa-me... Sorri satisfeita! Penso: eu amo esta mulher. Ela corresponde aos meus pensamentos. Beijamo-nos. Línguas juntas, lábios colados e corpos macios pressionando-se. Tudo de bom! Eliana, encostada à parede, vira meu corpo e abraça-me por trás. Morde-me nas orelhas. Enfia a língua em meu ouvido. Sussurra-me:

- Menina, você é o meu tesouro!

Eu, sentindo o calor do seu corpo e seus seios apertando-me nas costas, começo a esfregar o bumbum durinho na vagina. Os lábios e clitóris, duros, alisam-me. Fico doida! Louca de vontade de chupá-la! Mas ela me segura! Acaricia-me nas coxas, vagina e seios. Beija-me no pescoço. Água quente do chuveiro e o calor, da sua respiração, sobre meus ombros. Uau... Delícia! Eliana passa suas mãos na minha boceta e balança meu grelinho para lá... E para cá! Estou gemendo. Sou beijada sob a água quente. A minha professora enfia dedos. Eu sussurro:

- Isso, professora... Isso... Faz gostoso! Eu te adoro... Huuum!

Ela me revira por dentro com seus dedos finos e macios. Mexe gostoso na minha xana. Eu começo gozar. Meus olhos cerram. Meu corpo amolece e sinto meu líquido escorrer entre seus dedos. Meu quadril treme e meu corpo inclina-se. Contrações intensas! Eliana abraça-me. Acarinha-me. Sinto-me segura... Desejada!

Meu nome é Nívea, 1,63m, 56,0Kg, branca, olhos esverdeados, seios grandes, quadril estreito, coxas charmosas e boca carnuda. Eliana foi minha professora de português e inglês, 36 anos, 1,57m, 63,0Kg, branca, seios grandes, quadril largo, coxas macias e grossas. Amicíssima da mamãe. (trabalham na mesma escola da rede estadual) Eu fui aluna de Eliana tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio. Estou na faculdade, primeiro ano do curso de pedagogia. As minhas amigas ficam enciumadas pela maneira carinhosa que ela me trata. Posso dizer que, Eliana me viu nascer. Ajudou na minha educação... Sempre esteve presente. Nos meus braços, numa dessas noites de amor, Eliana confessou-me que sempre se sentiu atraída por mim. Muitas vezes, saía de perto para não perder a cabeça. Quando eu era di menor e ela me abraçava para dormir comigo, sua vagina inundava-se de prazer. Uma sensação gostosa tomava conta dos nossos corpos macios. Declaro que, também, sempre tinha vontade de me perder em seus encantos. (risos) Mamãe e papai nem sequer sonham com este meu caso de amor por ela. Isto poderia abalar a relação das nossas famílias católicas fervorosas. (risos) Enquanto isso, a nossa história de amor segue escondidinha. Que Deus nos abençoe sempre!



Eu e minha família estávamos em sua casa participando de um churrasco, com outras professoras da escola, numa tarde de sábado do mês de janeiro. Eliana é separada e tem três filhos, um menino (12 anos), uma menina (10 anos) e outra menina (09 anos). Eu brincava na piscina da sua casa, junto com seus filhos e outras pessoas presentes. Eu notava que ela conversava com as amigas, mas sempre tinha olhos sobre mim. Eu correspondia, discretamente, aos seus olhares maliciosos.

Sempre a admirei! Tanto por ser uma excelente professora quanto pela sua postura diante da vida. Frequenta a casa da mamãe desde sempre e minha família toda a adora. Sempre notei que ela me paparicava e agradava-me por demais. Sentia-me protegida ao seu lado. Dormi, muitas vezes, em sua cama fofa abraçada a ela. Seu corpo quente e macio apertando-me e acariciando-me durante toda a madrugada. Eu achava um pouco estranho e ao mesmo tempo delicioso senti-la grudada em mim, mesmo de roupas. Ela nunca tirou proveito da minha inocência. (risos) Não, isso não! Mas eu sentia claramente que ela queria algo mais. Eliana controlava-se. Isso foi muito bom... Amadureceu-nos.

Neste dia do churrasco, num sábado, enquanto as pessoas estavam na beira da piscina conversando e se divertindo, eu fui tomar um banho na suíte dela. Quando estava terminando, ela entrou no quarto e foi logo tirando a roupa, dizendo-me para não desligar o chuveiro. Entrou no banho e abraçou-me pela cintura. Eu senti um arrepio forte e gostoso, dos pés à cabeça. Minhas pernas tremiam e minha voz não saía. Eliana pediu-me que esperasse por ela, pois não queria ficar sozinha. Eu olhava seu corpo molhado e cheio de espumas. Sua boca carnuda e seus melões inchados. Sua vagina com pouquíssimos pêlos e suas coxas grossas. Admirava-a... Eliana é linda! Eu parecia hipnotizada. Ela percebeu... Fez carinhos com a ponta de seus dedos no meu nariz, dizendo-me:

- O que você foi, Ní? Em que pensas, meu amor?

Eu demorei a escutar... Estava bem longe em meus pensamentos! Apenas disse-a:

- Seu corpo é lindo, Eli!

Ela sussurrou-me:

- Vem aqui, docinho! Abraça-me.

Eu estava nas nuvens! Quando dei por mim, sua língua invadia-me a boca e o calor do seu corpo junto ao meu molhava-me inteira. Fizemos amor no banho! Escutava as outras pessoas conversando e brincando na beira da piscina e nós duas nos amando loucamente no banheiro. Foi ?bão? demais!

Estamos ficando... Não sei se é um caso ou namoro. O que sei é que eu amo estar com ela. Eliana é a primeira mulher da minha vida, posso até dizer que quem tirou minha virgindade foi ela, com seus maravilhosos brinquedinhos. Sinto-me feliz e amada. É uma sensação única. Diferente de tudo que imaginei para minha vida. Muitas vezes questiono-me sobre a minha sexualidade, mas estou aprendendo a deixar a vida me levar. Durmo, de vez em quando, em sua casa.

Semana passada, completamos seis meses juntas. Ela preparou-me um jantar. Amamo-nos a noite toda em seu quarto à meia luz. Eliana vestiu meias sete oitavos pretas e um mini corselete na mesma cor, deixando seus belos seios de fora. (sua calcinha já estava molhada quando começamos a nos amassar sobre a cama) Ela tirou-me a calcinha de algodão e a camisete branca, deixando-as sobre o lençol. Seus lábios macios chupavam os meus. Sua língua, molhada, colava-se na minha. Chupamos os seios uma da outra e nos enrolamos sobre a cama. Nossos cabelos cheirosos e nossos corpos quentes provocavam-nos ainda mais desejos. Eliana ficou de quatro e engatinhou empinando seu bumbum grande e macio. Virei meu corpo e deitei-me de barriga para cima. Ela encaixou-se sobre mim e deixou-me possuir seu quadril. Meia nove. Eu abri as bandas do seu bumbum e fartei-me entre suas coxas. Que boceta cheirosa e suculenta! Adoro esfregar minha boca nela. Enfiar a língua... Lamber as paredes da xana. Passar minha língua no ânus e enfiar meus dedos. (aquele cheirinho, de cu sem lavar, que fica impresso em meus dedos é tudo de bom ? risos)

A minha professora geme, mas tão gostoso, que eu gozo sem parar! Adoro brincar com os lábios da sua vagina entre meus dedos. Sentir seu líquido respingar. Chupá-la... Mordiscá-la! Sentir sua língua invadindo-me nas entranhas e provocando-me sensações indescritíveis. É mágico estar com ela! Quando ela se esfrega na minha xana, chego a fazer xixi! Ela sente meu líquido quente e também goza a valer! Eliana tem um jeitinho todo meigo e carinhoso de me possuir com alguns de seus brinquedinhos mais perversos. (eu adoro me lambuzar com ela) Eu fico de quatro e sinto-a segurando na minha cintura e aquele troço de silicone entrando e saindo de mim. Os seios dela balançam... Os meus também! Ela geme. Esfrega seu quadril no meu. Gozamos juntas!

Com o pênis duplo é tudo de bom! Ela aproxima sua xana, com uma ponta do brinquedinho dentro e introduz a outra metade na minha fenda suculenta. Engolimos o brinquedinho! Sentimos nossos lábios se encontrando... Xana com xana! Os clitóris se roçam... Deliramos de prazer sentindo-o entrar e sair! Procuramos gemer baixinho, pois suas crianças estão nanando. (risos) Dormimos juntas. Eu, quase sempre, durmo sentindo seu dedo indicador penetrando-me no cu. (adoro)

Observação: Por questões de privacidade e discrição, troquei nossos verdadeiros nomes. Título original: Eu e minha eterna professora.

Pessoal, por hoje é só! Fique em paz e obrigado pela leitura. Beijos.

 

Gostou? Vote no Conto:

71734 visitas