Acervo de Contos eróticos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto
flagras sexo anal porno gostosas gostosas gostosas

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

A sogra da minha filha é uma delícia | Acervo de Contos

A sogra da minha filha é uma delícia

- Oooi, Silvinha... Entre!
- Oooi, Claudinha!
- Tudo bem?
- Tuuudo... E você?
- Estou bem também! Está agendada para as 18h, é isso Silvinha?
- Aaah, sim... Eu resolvi vir mais cedo para minha consulta! Estava no centro da cidade e já tinha acabado de fazer serviço de banco e supermercado. Preguiçazinha de ir para casa e, depois, voltar. Fiz mal de vir antes, Fofa?
- Claro que não... De maneira alguma... Um prazer ter você aqui! Aliás, somos amigas e, agora que meu filho casou com sua filha, ficamos ainda mais próximas, Querida. (risos)
- E Débora, sua secretária?
- Ela precisou sair mais cedo.
- É um amor de menina, não é?
- Sim... Débora é um doce de menina e super competente. Muito atenciosa com minhas clientes. Adoram-na!
- Tem mais mulheres para atender ainda esta tarde, Fofa?
- Não. Justamente hoje duas meninas desmarcaram a consulta. Agora são 16h 30m... Só tenho você.
- Uaaau... Então poderemos conversar mais à vontade! (risos)
- Sim, claro! Prefere que eu faça a consulta agora e depois ficamos livres?
- Melhor ainda!
Sou médica ginecologista. Meu marido é médico oncologista. Fizemos amor assim que minha secretária saiu. Foi tão gostoso! Ele dobrou a esquina e Silvinha chegou. Conclusão, nem havia tomado banho e nem feito higiene íntima. Apenas vesti a roupa de trabalho e o jaleco.
Silvinha é sogra do meu filho. Tenho casal de filhos. Adultos. Minha menina está morando e estudando em Taubaté, interior do estado de São Paulo. Meu menino é advogado. Iniciando carreira. Casado com a filha de Silvinha. Eles moram perto da minha casa, aqui em Mogi das Cruzes, grande São Paulo.
De tempos para cá, notei que Silvinha passou a me abordar de maneira diferente. Olhares curiosos sobre mim! Confesso que ela havia chamado minha atenção... Fiquei com vontade de experimentar a coisa! Deixei rolar para ver no que ia dar as investidas dela. (risos)
Silvinha havia agendado consulta comigo. Antes de atendê-la, fechei a clínica. Examinei-a. Solicitei exames ginecológicos, entre eles, papanicolau e mamografia. Conversamos bastante sobre saúde da mulher e sexualidade. Assim que terminamos, subimos para o andar de cima. Minha clínica fica num espaço formado pelo térreo, primeiro e segundo andares. Tenho salas para a realização de exames, cozinha e quartos para descanso.
Ficamos conversando na cozinha. Ofereci sorvete. Ela aceitou. Eu estava na pia preparando as taças quando ela levantou-se, sorrateiramente. Abraçou-me por trás. Levei baaaita susto... Gelei! Arrepiei-me toda enquanto escutava-a sussurrar-me na orelha esquerda e acarinhar-me nos cabelos:
- Você é muito linda, sabia Cacau?
- Meu Deus... Que susto você me deu, Sil!
- Eu não paro de pensar em você, Fofa... Imaginando-me contigo!
- Calma... Você está me arrepiando toda, Sil... Judiando-me!
- Eu sei... Quero sentir seu corpo! Passar as mãos em você! Saborear seu corpo de mulher, Fofa!
- Aaai, meu Deus... Estou confusa... Nem sei o que lhe dizer!
- Não precisa me dizer nada. Apenas sinta meu corpo junto ao seu. Meus beijos no seu pescoço. Meus toques sobre sua pele macia e lisa. Você me deixa loouca, Fofa!
- Aaaai, minhas pernas estão moles... Eu não estou aguentando!
- Eu adoro seu cheiro. Eu adoro seus gestos. Eu adoro o jeito que você me trata. Contigo, tenho sonhos eróticos. Penso em você quando estou fazendo amor com meu marido... No banho... Eu quero ser sua!
- Eu não podia imaginar que estivesse despertando isso em você, Sil!
- Eu sei... Eu sei! Procurei ser discreta. Tenho minha vida social e não posso me expor desta maneira. Desejo seu corpo de mulher. Tenho sentimentos por ti.
- Você nunca ficou com mulheres?
- Não. Você mexe comigo, Fofa!
- Aaai, meu Deus!
Silvinha foi beijando-me no pescoço. Passando-me as mãos na cintura, nas coxas, no bumbum, nas costas, nos cabelos e eu fui ficando cada vez mais excitada pelos toques femininos que recebia. Meu coração acelerou. Achei que fosse sair pulando! (risos) Meu corpo esquentou. Meu rosto queimava. Sentia contrações. Arrepios. Lábios da xaninha ficando durinhos na calcinha. Clitóris ainda mais! Os músculos da vagina apertavam-se e me provocavam dores... Gostosas de sentir! Eu gemia. Há tempos não me sentia garotinha fazendo artes!
Silvinha encaixou suas coxas na minha perna esquerda. Apertou-me. Esfregou-se na minha coxa. Delirei! Eu gemia. Ela também. Pegou-me pelas mãos e larguei as taças de sorvete. Frente a frente, acarinhou-me nos cabelos. Abraçou-me. Corpo quente. Macio. Cheirosa. Seios volumosos acarinhando os meus. Coxas e joelhos curiosos procurando me acalentar na vagina. Respiração acelerada. Olhares sensuais.
O beijo foi conseqüência do clima de sedução anunciado. Lábios macios encontrando-se no ato feminino e romântico. Línguas molhadas unindo-se. Lábios esfregando-se manhosamente. Salivas misturando-se e dando sabor de encantamento. Narizes se roçando. Faces também. Olhares penetrantes. Cheiro de mulher. Cheiro de perfumes. Cheiro de cremes. Cheiro de amor... Prazer! Ficamos nos beijando e nos dando mordidinhas nos lábios. Namorando entre sorrisos de almas amigas.
Silvinha me levou para a parede. Tirou meu jaleco. Minha blusinha e calça brancas. Depois, meu sutiã. Parede fria. Arrepiei-me. Ela beijava-me e deixava-me looouca de tesão. Boca macia deslizando pelo meu corpo. No pescoço, orelhas, seios e barriga. Soltei as alças do seu belo vestido decotado. Caiu sobre belos tamancos. Laranjas. Tirei o sutiã. Seios tão firmes e grandes quanto os meus. Apetitosos! Toquei-os. Silvinha fechou os olhos. Abocanhei-os. Suspiramos. Bicos durinhos e macios. Corpos pegando fogo. Lisos. Roçando-se e provocando gemidos e dores. Voltamos a nos beijar pressionando a parede fria da cozinha. Sussurrei-a:
- Querida, irei para o banho e continuamos no quarto. Espere-me lá?
- Não.
- Como não, meu Bem?
- Não.
- Sim. Quero tomar banho para tirar meu suor.
- Eu quero sentir seu suor... Eu quero sentir seu cheiro... Eu quero sentir seu sabor de fêmea!
- Não. (risos) Eu preciso do banho!
- Eu não deixo mais você fugir de mim. Vamos para o quarto, Fofa?
- Antes, irei para o banho. É rápido. Prometo.
Silvinha agarrou-me e deixou-me looouca. Beijando-me e chupando-me... Até no sexo! (eu não tinha tomado banho depois de fazer amor com meu marido) Silvinha ficou de joelhos. Sobre a calcinha, cheirou-me, lambeu-me na fenda da vagina e clitóris. Molhou minha calcinha com salivas. Por dentro, ensopei! Delicadamente, puxou lingerie para o lado e suspirou sentindo o cheiro do meu corpo. O nariz esfregou a ponta no grelinho e na entrada da xana. Depois, passou lábios da boca e a língua. Lambeu-me bem gostoso. Em todas as dobrinhas. Seus dedos, macios, brincaram nos lábios excitados. Dedilhou-me. Prendeu-me entre dedos e lambeu-me no grelo. Nos grandes e pequenos lábios. Eu abria as pernas e sentia energia, super gostosa, relaxando-me dos pés à cabeça. O gozo seria questão de tempo!
Acarinhei-a nos cabelos enquanto me comia com a boca. Apertei-a contra meu sexo. A língua curiosa entrava. Eu fiquei super excitada. Logo, relaxei o corpo sentindo contrações e líquidos escorrerem das minhas entranhas. Olhei para baixo. Silvinha olhava-me boquiaberta. Olhos entreabertos. Foi aí que notei espermas do meu marido dentro da boca dela. Meus líquidos misturados aos líquidos dele. Engoliu-os. Ela continuou a lamber-me e chupar-me. Sem parar. Fiquei excitadíssima! Balançava língua olhando-me. Levantou-se e murmurou-me:
- Uaaau... Que delícia sua xaninha... Cremosa!
Aaai, que vergonha! Eu não sabia onde enfiar a cara. Curti o momento e nos beijamos. Murmurei-a:
- Eu disse que queria tomar banho, Sil. Você não me deixou!
- Sem problemas. (risos) Acostumada a chupar meu marido!
- Aaai, que vergonha!
- Misturada ao seu sabor, ficou bem melhor!
- Pare com isso... Aaai, credo! (risos)
Beijamo-nos ao sabor dos meus líquidos. Silvinha foi muito carinhosa comigo. E eu com ela. Juntas, de mãos dadas, fomos para um dos quartos. Na cama que eu havia feito amor com meu marido, deitamos. Ficamos nos olhando e curtindo o momento, até então, inédito em nossas vidas. Carinhos. Carícias. Palavras picantes ao pé do ouvido. Som dance (eletrônico) tocando no rádio... E duas lobas fazendo amor bem gostoso!
Meu nome é Cláudia, 43 anos, pele branca, 1,67m, 73 kg. Tenho cabelos compridos, loiros e lisos. Seios grandes e quadril largo. Pernas macias. Casada. Silvia, minha amiga, 44 anos, pele branca. Casada. Três filhas. Acho que ela deve ter 1,58m, 63 Kg. Tem corpo mais bonito que o meu. Bandida! (risos) Eu preciso perder uns quilinhos. Os cabelos são cheirosos, compridos, negros e ondulados. Os seios eu queria para mim. Perinhas... Lindos! O bumbum é meu... Grande, redondo e maravilhoso! Pernas grossas... Tesão de menina mulher! Super feminina... Cocotinha!
Abraçadas e nos beijando, ajoelhadas, no centro da cama de casal. Eu me soltei... Chupeeei-a todinha. Matei minhas bichas! (risos) Cabelos sedosos e cheirosos. Pele quente... Macia. Eu lambi e dei mordidinhas no pescoço. Beijei-a nas costas... Até a fenda do bumbum. Ela se contorcia toda! Esfreguei seios nos dela. Rocei coxas nas dela. Dei de mamar. Mamei. Rolamos abraçadas no ninho de amor. Eu a sugava nos mamilos, duros, e ela arranhava-me nas costas. Apertava-me! Beijei-a na barriguinha. (invejei-a ? risos) Mordisquei-a na cintura. De bruços, beijei-a no bumbum. Passei a língua no reguinho. Tirei a caleçon. Cheirei-a. Abri as bandas e enfiei a língua. Chupei-a no ânus... Na vagina. Gostei... Fiz mais vezes! Lambendo-a nas coxas, as abri. Dei mordidinhas carinhosas. Acariciei-a nos pés. Silvinha sentiu cócegas. Virou-se de barriga para cima. Abriu os braços e nos agarramos. Trançamos as pernas. Esfregamos as xanas. Que gostoso!
Abraçadas enquanto grelos acarinhavam-se. Gememos e deliramos nos braços da outra. O calor da respiração, no meu pescoço, era tudo de bom. Sentimos orgasmos. Líquidos misturavam-se e escorriam nas coxas e lençol. Pernas cruzadas e lábios, excitados, colados. Penetraram-me. Sensação de estar sentada na água. Beijos de língua. Olhares entreabertos. Gozos femininos e românticos. Ameeei o encontro carnal.
Silvinha rolou comigo na cama. Ficou sobre meu corpo. Buscou aconchego no meio das minhas pernas. Lambeu-me... Chupou-me... Saboreou-me no sexo! Nos meus orifícios de prazer. Na frente e atrás. Enfiou-me dois dedos. Mexia e remexia manhosamente. Dedos pontiagudos e curiosos. Dedilhou-me, várias vezes, e a língua balançava meu sininho para lá e para cá. Mordiscou-me nos lábios. Puxou-me por eles. Gozei bem gostoso. Ofereceu-me o quadril. É claro que aceitei! (risos) Meia nove com Silvinha. Que bumbum tesudo sobre meu rosto! Grande. Branco. Liso. Macio. Ancas de mulher. Eu apalpei e fiquei encantada... Excitada! Alisei-a. Beijei-a nas coxas. Ela sentia cócegas! (risos) Apertei-a nas bandas do bumbum. Mordisquei-a. Beijei-a. Abri e revelei o ânus... A vagina... Lindos! Cheirei-os. Lambi calmamente. Cheiro de bumbum... Cheiro de xana... Fiquei looouca! Enfiei a língua na vagina enquanto cheirava o buraquinho. Mordisquei-a. Puxei-a pelos lábios duros da xoxota. Abri e senti o cheiro. Inspirei. Cheiro de boceta. Sabor picante... Salgadinha... Azedinha... Ácida! Enfiei dedos e a satisfiz. Gozou na minha língua e eu na dela. Os brincos cutucaram-me nas coxas. Dedos entraram-me no cuzinho apertado. Sentia dores. Gozar aliviava tuuudo. (risos) Chupei-a no cu. Puxei-a contra meu rosto. Sufoquei-me... Bão demais!
Silvinha erguia o corpo e esfregava-se sobre meu rosto. Agachada. Molhou-me de líquidos quentes. Ela gemia melosamente e manhosamente. Deixava-me, ainda mais, excitada por ela. Profunda e sensível no sentir. Mulher gostosa para acarinhar e ser acarinhada. Caía de boca na minha xana e me lambuzava toda no sexo. Sede de mulher! Então, eu voltava a sentir gostosos seios pressionando-me na barriga. Corpos quentes. Unidos. Suados. Avistei as ancas... Ora empinadas... Ora contraídas! Deixou-me cheirando gozo de mulher. Marcamos o lençol de líquidos, cabelos e batom. Amassado ficou! Curtimos juntas durante a tarde livre. Primavera. Outubro, 2011. Duas mulheres livres e atraídas pelo desejo de mulher. Amando-se!
Silvinha é minha amiga, amante e confidente. Eu também ti amo, Querida. Beijinhos meigos, Delícia Cremosa!
Pessoal, por hoje é só! Fique em paz e obrigado pela leitura. Beijos.

 

Gostou? Vote no Conto:

23/04/2012 | 75683 visitas

 
 
 
sexo anal safadas sexo