Acervo de Contos eróticos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Incesto por acidente | Acervo de Contos

Incesto por acidente

Eu e meu pai sofremos um acidente de moto e fomos parar no hospital. Eu quebrei o braço direito, com fratura no ombro e torci gravemente o pulso esquerdo. Já meu pai teve fratura lombar e na perna direita. Foi um tombo bobo até, mas que provocou uma reviravolta aqui em casa.
Em pouco tempo, meu velho já estava de volta ao trabalho, mas eu, com gesso até nas costas e uma tala no pulso, nem pra aula ia mais. Fiquei de molho quase quatro meses. Pra quem já quebrou o braço, sabe do que estou falando. Uma coceira sem tamanho. Mas, o problema maior não era esse. Tudo bem, que eu tinha uma liberdade em casa sem tamanho. Meus pais também eram bem liberais. Mas, daí ter que pedir para minha mãe fazer todo o serviço em mim, no começo foi muito constrangedor. Banhos, trocar de roupa, até aí tudo bem, pois já era até comum. Mas, depois de usar o banheiro, ter que chamar a mãe, no começo foi bravo. Porém, como não tinha como ser diferente, até que encarei bem a situação.
Essa situação aproximou-me muito da minha mãe, falando de intimidade. Nas primeiras vezes, até que fiquei sem graça, mas os dias foram passando e ela, com todo carinho e compreensão, me fez ver que era até natural aquilo. Passei a tomar banhos com ela, pois ao me dar banho, ela já aproveitava para tomar o seu também. No início, eram banhos rápidos. Ela se banhava primeiro, em seguida era minha vez e saíamos os dois enrolados em toalha até o quarto. Mas, como a intimidade aflorou com o tempo, isso já não era mais problema. Tanto que até meu pai às vezes, lembrava que estava na hora de ela me dar o banho.
Nossos banhos ficaram mais demorados, com mais carinho, menos vergonha. Ela passou a ficar mais a vontade durante o banho, chegando até mesmo, com o passar dos dias, a se depilar enquanto nos banhávamos. E isso, logicamente, foi me chamando atenção para a mulher que estava comigo. Até então, nunca havia pensado, sequer olhado para ela com segundas intenções. Mas, o fato de estar ali, presenciando minha mãe em toda sua intimidade, além de ela, claro, me banhar carinhosamente, me levou a pensamentos mais audaciosos. Tanto que inúmeras vezes não me controlei e fiquei excitado, levando ela a dar risadas da minha situação.
Ao mesmo tempo em que ela se divertia com minha situação nada confortável, notei que ela também nutria outros sentimentos. Isso porque, com o passar dos dias, vendo eu daquele jeito, virava-se de bunda e dava um jeito de encostar-se em mim. E isso foi só o começo, pois ainda viriam as juntadas de sabonete, sem falar das depilações que, se bem me lembro, começaram justamente nesses dias. Enfim, eu estava provocando sentimentos em minha mãe que, com certeza, ela jamais havia sentido antes.
Era fácil notar a satisfação dela em ficar ali comigo, pois além de nossos banhos ficarem bem mais demorados, coisa que até meu pai reclamava às vezes, os carinhos dispensados a mim e ao meu amiguinho ali em baixo eram cada vez mais acentuados. Tanto que até um ensaio de punheta eu já estava experimentando. E, conforme passavam os dias, mais desses carinhos eu ganhava e, logicamente, tanto eu como ela, mais excitados ficávamos. Em um desses banhos eu dei uma encoxadinha, colocando meu pau no meio das pernas dela. Pensei que ela iria se virar, mas, que nada, fez de conta que nem era com ela. Só que quem pagou o pato foi o pai, que ela, ao sair do banheiro, pegou ele e quase se acabaram na cama.
Levou uns dois meses até que surgiu o primeiro assunto sobre nós dois no chuveiro. Isso aconteceu porque eu não consegui agüentar os carinhos dela e acabei gozando em sua mão, enquanto ela se extasiava em ter feito aquilo comigo. Ficou mexendo até que a última gotinha de porra saiu. Com um sorriso nos lábios, lavou tudo com muito carinho, inclusive o chão do chuveiro, pois meu pai nem poderia sonhar que aquilo tivesse acontecido. Só sei que fiquei com as pernas bambas e, até aquele momento, nunca havia gozado tão forte e gostoso como naquele dia.
Conversamos baixinho no chuveiro, abraçadinhos, sobre o acontecido. Ela, logicamente, me pediu segredo sobre tudo. Me fez jurar que jamais contaria alguma coisa, ou sequer mencionaria algo sobre os carinhos que ela vinha fazendo em mim. Também disse que quando eu achasse que ela devia parar, tinha que dizer de imediato. Claro que eu jamais acharia isso!
Até durante o dia mesmo, ela falava mais abertamente comigo sobre sexo, namoradas. Contou algumas aventuras que fez com o pai. Das cantadas que ela levava. Da vontade que às vezes tinha de ceder e transar com outro. Até mesmo meu tio, irmão do meu pai, já havia bolinado ela na praia. E pior, ela deixou e quase que foram para cama. Contou que ela chegou a ficar só com a parte de cima do biquíni e ela ia deixar ele meter mesmo, ali na cozinha da casa de praia. Mas, só não aconteceu porque tinha muita gente por perto.
Então, depois desses papos, percebi que minha mãe era bem safadinha e que nem sempre conseguia realizar suas fantasias. Até porque meu pai é muito conservador.
Bom, enquanto eu estava engessado, foram várias punhetas que ela bateu para mim. E, olha que não eram só nos banhos não. A coisa ficou bem mais ampla. Praticamente toda manhã, quando meu pai saía para o trabalho, eu passei a ganhar um carinho na cama mesmo. Ela não se contentava enquanto eu não gozasse nas mãos delas. No banho era sagrado. Até bem melhor, pois eu já jorrava nos seis dela às vezes. Confesso que sonhava com o dia que ela colocasse meu pau na boca. E não demoraria muito.
Certo dia, quando já fazia três meses de gesso, de manhã, isso deveria ser umas sete horas, eu acordei com os gemidos dela. Estavam transando cedinho já. Brincaram um pouquinho, meu pai levantou, tomou uma ducha, um café e saiu para o trabalho.
Quando o carro saiu da garagem, ouvi ela entrar no meu quarto e perguntar se eu queria o carinho de sempre. Respondi que sim, óbvio. Aí, percebi que ela estava nua. Apesar de quase todo dia eu ganhar uma punhetinha matutina, ela sempre estava de camisola, ou de babydoll, ou mesmo de roupa normal. Mas, como já de se esperar, a coisa estava esquentando e ela já sentia prazer quase que incontrolável.
Tanto que, sempre que vinha, baixava minha cueca até nos joelhos e prestava aquele serviço altamente profissional quase todas as manhãs. Mas, nesse dia específico, foi tudo diferente. Ela entrou sem roupas, tirou o lençol que me cobria, arrancou minha cueca por completo e tocou uma punheta memorável. Com um diferencial: pela primeira vez, engoliu meu pau, completamente. Meu, que boca quente! Lembro-me como se fosse hoje. Só não gozei na boca dela porque ela não quis naquele dia. Quando acabei, ela se ajeitou gostoso no meu lado, deu-me um beijo e perguntou se eu havia gostado. Permaneceu ali, comigo, até quase dez horas da manhã, quando se levantou, me conduziu para o chuveiro e me deu um banho muito gostoso.
Ela estava totalmente livre. Suas fantasias, aos poucos estavam se realizando. Isso ela deixava claro nos modos, nas roupas que passou a usar, no jeito de falar. As calcinhas diminuíram drasticamente. Era uma menor que a outra. Isso quando usava, pois comigo em casa, passou a ser comum ela levantar, tomar o banho e pôr apenas a roupa. Se fosse vestido ou saia, a calcinha era descartada. Uma única vez, durante um de nossos banhos, mencionei que preferiria que ela depilasse tudo. Pois, na mesma tarde, ela marcou depilação e, de lá para cá, nunca mais vi um pelinho sequer na buceta dela.
As transas com o papai ficaram freqüentes. Quase toda noite eu ouvia os dois, já que meu quarto é parede com o deles. Às vezes, era uma de noite e outra rapidinha pela manhã. Claro, passou a ser comum também ela vir nua, deitar comigo quando meu pai saía pro trabalho. E, dá-lhe punheta matutina. Agora, com um aditivo a mais: com as chupadas majestosas dela, passei a gozar também na boca dela. Ela dizia que era o leitinho da manhã. Nos banhos, também não escapava de uma chupadinha. Ela ficara maluca de vez.
Mas, chegou a hora de tirar o gesso. Tudo voltaria à normalidade. Meus banhos acabariam, pois como explicar para o meu pai? Quem sabe as manhãs, até continuariam, até melhor, pois teria minhas mãos livres novamente. Se bem que minha mão esquerda já estava livre há alguns dias. Já percorria o corpinho dela e por vezes, senti a buceta dela totalmente molhada, a maioria com porra do meu pai.
Até comentamos sobre isso. Ela me tranqüilizou dizendo que nada mudaria. Que estava tudo sob controle. Que só terminaria no dia em que eu dissesse para ela parar. Ainda disse que daqui para frente, eu determinaria até que ponto a gente chegaria. Que se estivesse bom assim, continuaria assim. Mas, que se fosse para mudar alguma coisa, competiria a eu fazer isso.
Três meses e vinte dias. Esse foi o tempo que fiquei com o braço engessado. Foi o período também que mais havia gozado até aquele momento, o período que mais vezes bati punheta, quer dizer, bateram pra mim.
Mas, o melhor viria ainda. Sem o gesso e com os braços livres, pude devolver um pouco do carinho para ela.
Mas, isso é outra história.

 

Gostou? Vote no Conto:

12/04/2010 | 187049 visitas

 

Comentários

  • eleones postou em 07/07/2013

    hum que delicia gostei dei duas gozadas aqui há como eu queria ter uma mãe assim eu ja fiz assim com uma irmã nossa é muito bom uma delicia

  • Ricardo - DF postou em 13/03/2013

    >>> Parabéns eu gozei depois de 1hs e 30min. lendo só uma vez e batendo uma única punheta, eu demoro muito a gozar. Merda.

    >>> Eu sou de Ceilândia, Brasília-DF sou comedor de esposinhas sou comedor procuro casais. Adoro comer as esposinhas de meus amigos na frente deles. Adoro gozar dentro da boca das casadas e mandar o corno limpar tudinho. Tenho 34 anos, qualquer casal que curta entre em contato comigo. ricardaodf@hotmail.com ou (61) 9100-8848 Operadora claro.

    >> OBS.: Favor não fiquem mandando mensagens para o meu celular, se quiserem me liguem pois sou comedor de esposinhas e não mensageiro. Curto real sou comedor nato.

  • mateus lemer postou em 11/02/2013

    aff que coisa nogenta.

  • otavio oliveira jr postou em 27/10/2012

    como gostaria de chupar essa buceta da sua m?e, toquei 2 punhetas gostaosa.

  • nem postou em 08/08/2012

    Otimo conto, parabens.Nota 10.

  • Vanda postou em 08/07/2012

    veja esse Site

  • monica postou em 17/06/2012

    nao gostei nao .ja li contos melhores

  • HomemTarado postou em 13/04/2012

    gostei procuro gatas para sexo virtual sou doido add contas2k @live.com

  • Digio postou em 06/03/2012

    Ótimo conto melei o gurisinho de tesão
    a Mariana e a Solange... quem mais quiser me add. para falar de sexo e incesto. digiorgio45@hotmail.com

  • Hercules postou em 14/02/2012

    Humm, amei o conto, solange e mariana, manda-me seu e-mail.

  • rodrigo kempes postou em 25/11/2011

    Pena que voçe nao comeu o cu dela.

  • Solange Souza postou em 30/10/2011

    O cara é autêntico, gostei e acredito ser verdade, vou ler a 2 e a 3 espero ler a 4 até a ultma, vc leva jeito para escritor cara, vc me envia para meu e-mail? solangelopes35@hotmail.com até a Mariana comeu o irmão dela de tanta tesão. Mariana pode me addc? minha nota é 10 seu conto merece.

  • Nonato martins postou em 26/08/2011

    gostei! eu quero sua mamaezinha pra mim

  • fabio postou em 19/03/2011

    humm quero sua mae tambem me fazendo este carinho em mim

  • wagner postou em 23/07/2010

    cara que delicia...adoraria comer minha mae...me liga para eu comer sua mamae 67995501

  • diego santana postou em 17/04/2010

    muito bom e ardente deixa eu conhecer sua mãe tamvbm bjus

  • Mariana postou em 14/04/2010

    Hum... Gozei gostoso aqui com o meu irmão!!!



:D :P: :afff: :confiante: :convencido: :convite: :decepcionado: :derrota: :descrente: :encucado: :fascinado: :lagrima: :legal: :meia-boca: :no:

  confirmacao * Todos os campos são obrigatórios
 
 
Sexo por telefone Mulheres procurando por sexo, ligue já para: 091 17 7878-0270 e encontre sexo em poucos minutos! www.sexopelotelefone.com
Disk sexo - Tele Sexo Mulheres dispostas a realizar os seus desejos, basta ligar e pedir que a sua fantasia será realizada. www.sexopelotelefone.com
Faça Sexo Pelo Telefone Selecionamos as mulheres brasileiras mais gatas, gostosas e safadas estão esperando para ter sexo no telefone. www.sexopelotelefone.com
Quer fazer sexo? Ligue já para: 091 17 7878-0270 e veja perfis com vídeos de mulheres gostosas buscando um homem safado! www.sexopelotelefone.com
Disque Sexo Gatas deliciosas prontas para muita putaria no telefone, é só ligar: 091 17 7878-0270 www.sexopelotelefone.com