Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Sexo, drogas e Rock'n'Roll! | Heterosexuais | Acervo de Contos

Sexo, drogas e Rock'n'Roll!

Olá, leitores!

Meu nome é Fernanda,sou estudante universitária. Tenho cabelos negros e longos, pele bem branca, biquinhos dos peitos e bucetinha rosados.

Ontem, 14/11/09, fui a um churrasco numa chácara com a minha galera. O pessoal curte rock?n?roll (assim como eu) e diversão foi o que não faltou. Compramos dez caixas de Brahma Litrão, várias garrafas de destilados, vinhos e algumas drogas.

Sabendo disso, vocês devem imaginar o que irei relatar: fiquei bêbada, tarada e inconseqüente.

No começo do churrasco conheci um rapaz, vocalista de uma banda cover de Bon Jovi (e eles são bem parecidos, se é que vocês querem saber) chamado Lucas. A gente trocou algumas palavras, mas eu nem dei muita atenção, afinal, minha finalidade era curtir ao máximo o som, a carne, a cerveja e meus amigos, sem me preocupar com sexo.

Quando eu estava embriagada por ter misturado todo tipo de bebida, o Lucas me chamou meio de canto e me pediu pra ir até o estacionamento. Fui, sem nem responder e esperei ele chegar.

O lugar era escuro, com algumas árvores e carros. A única iluminação vinha da piscina, que ficava bem próximo dali e que era separada do estacionamento por uma simples cerca viva. Aquela espera e o lugar, que permitiria a visão de qualquer pessoa ali, me deixaram um tanto quanto excitada. Já sabia que ia aprontar.

Ele chegou e começou com aquela conversinha desnecessária. Cortei isso logo e pedi para beijar sua boca. Ele me respondeu com um puxão, seguido por um abraço forte e um beijo na boca demorado. E que beijo foi aquele, meus queridos!

O negócio foi esquentando gradativamente, até eu perceber que ele usava uma aliança na mão direita. Fiquei meio sem graça, mas não disse nada. Aquele desejo de trepar num lugar público estava aflorando meu tesão cada vez mais, até chegar num ponto em que eu abaixei meu tomara que caia preto e guiei as mãos dele até meus seios. Como estávamos muito próximos, pude sentir seu pau endurecendo. Um pau grosso delicioso.

Ele chupou meus peitos como um bebê sedento por leite e me fez gemer de delírio. Enquanto fazia isso, ele abriu a calça, tirou o caralho da cueca e eu toquei uma punheta gostosa pra ele.

Ouvi passos se aproximando do local onde estávamos e levantei minha blusa, prensando o rapaz na árvore com o meu corpo. Que sensação deliciosa foi aquela!

Ao perceber que estávamos sozinhos de novo, ele me levou até o último carro e me fez por as mãos no capô, ficando com a bunda para cima. Abaixei minha blusa até a cintura e ele abriu minha calça jeans, levando-a até os pés. Ficou passando seu pau grosso sobre a minha bucetinha e cu, ainda com o calcinha preta cobrindo. Puxou a minha calcinha de lado e começou a me chupar. Ele tinha uma barba ralinha, dessas de homem cafajeste, que me fazia gemer cada vez mais alto quando ele a encostava em meu grelinho. Enfiou dois dedos na minha buceta e, pouco tempo depois, me fez gozar muito, sugando todo o liquido que saíra de mim.

Deu-me um beijo na boca em seguida, e fez-me ajoelhar à sua frente e chupar seu pau. Chupei, lambi, mordisquei, massageei com as mãos e coloquei entre meus peitos, fazendo uma espanhola pra ele. Sua cara não escondia a aprovação. Coloquei o caralho na boca novamente e ele me agarrou pelos cabelos e forçou minha cabeça a fazer o que ele queria. Senti seu pau latejando na minha garganta até ele me dizer que ia gozar. Bati uma punheta pra ele, com o pau em direção a minha boca e então senti aquele jato de porra vindo até mim, lambuzando meu rosto inteiro. Adorei aquilo e disse que queria foder com ele a noite toda. Ele riu e disse que eu estava falando enrolado, mas não negou o convite.

Dei-lhe um beijo no pescoço e subi até a orelha, deixando-o arrepiado. Ele disse que ia pegar a chave do seu carro e um drink para nós e eu fui falar para a minha amiga que iria comprar cigarros em alguma loja de conveniência de posto.

Feito isso, entramos no carro e fomos até uma rua deserta ali perto. No trajeto, fui tocando uma para ele, tirando sussurros dos seus lábios.

Ao estacionar, tirei minha calça e blusa, ficando apenas de calcinha. Ele tirou a calça e a cueca e me fez sentar em seu colo. Cavalguei em cima de sua pica enquanto recebia apertões e tapas na bunda, deixando minha bunda vermelha. O tesão era tanto que meus gemidos foram os mais sinceros possíveis, e altos. Ele fodia forte, do jeito que eu gosto.

Um tempo depois, nos dirigimos até o banco de trás e ele se deitou sobre mim, enfiando seu pau latejante na minha buceta. Ele queria comer meu cu, mas fiz graça e disse que sem camisinha não rolaria, afinal não teria lubrificação. Sem muita demora, ele pegou um pacotinho de camisinhas no porta-luvas e disse que agora eu não teria desculpas. Deu o seu pau pra eu chupar e colocou a camisinha em seguida. Saímos do carro e ele me pegou no colo e me colocou no capô do carro. Fiquei lá deitada, só esperando ele vir foder meu cuzinho. Veio, sem demora, e meteu o caralho em mim sem nem um pingo de dó, me arrombando de uma vez só, gritei de dor e excitação e ele começou o vai-e-vem freneticamente. Disse que nunca tinha comido um cuzinho tão apertadinho quanto o meu. Comecei a me masturbar e tive meu segundo orgasmo. Quase na mesma hora, o Lucas encheu meu cu de porra. Delícia!

Continuamos trepando a noite toda ao som de AC/DC e, quando já era quase manhã, voltamos para a chácara, suados e descabelados. Posso vos assegurar que foi uma das noites mais gostosas que já tive. Fiz até questão de marcar outra transa. Ele concordou e semana que vem vamos nos encontrar novamente, rendendo outro conto para vocês se deliciarem.

Beijinhos!

Fer.

 

Gostou? Vote no Conto:

26145 visitas