Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Realizando o Sonho de um Velho | Heterosexuais | Acervo de Contos

Realizando o Sonho de um Velho

Olá! Quero relatar uma experiência que ocorreu no final do ano passado. Para aqueles que já me conhecem, devo dizer que é minha mais nova experiência com homens mais velhos. Bom, para aqueles que ainda não conversaram comigo por e-mail e nunca viram minhas fotos, deixe-me descrever como sou. Bom, tenho seios grandes (admito que coloquei silicone para ter o tamanho ideal para mim, 450ml), bumbum grande e muito malhado (está é minha paixão e tenho orgulho de dizer que é totalmente natural, e bem redondinho também!), coxas trabalhadas, 1.66m, 59Kg, cintura fina. Amo ficar na praia pegando AQUELE bronze com fio-dental estilo asa-delta de amarrar na lateral, e amo malhar, para dizer a verdade malho 2 horas todos os dias.

Bom, vamos agora ao que aconteceu comigo. Eu estava conversando com uma vizinha minha, que é minha amiga desde a infância, sobre minha experiência aquele dia no iate no Guarujá com o Robinson, o Alvarez e a Roseli. Pois bem, ela ficou chocada e ao mesmo tempo achou muito louca a experiência, mas não teria coragem de fazer como eu. Então ela se lembrou de um velhinho que estava sempre na frente do super-mercado e que ficava babando olhando para nossas bundas quando passávamos por ele. Rimos muito nos lembrando de algumas cenas, inclusive porque este velhinho, o sr. Silvério, nos via desde que tínhamos 11 anos e estava sempre babando nas nossas bundas. Conversando mais um pouco, minha amiga acabou falando de brincadeira: ?Imagine só que nojo você fazendo sexo com o sr. Silvério..ARGH!!!? e eu comecei a rir e acabei falando: ?Deve ser muito estranho mesmo, aquele corpo todo enrugado e caído, o pinto dele deve ter até verruga!?. Ela riu muito e disse: ?Nossa, duvido que este você tivesse coragem de traçar!? e eu retruquei: ?Quer apostar??. Ah, não deu outra ela topou na hora e ainda disse que me pagaria R$500 para fazer esta loucura, e ficamos naquela de ?Duvido!? e ?Eu faço, garanto!? durante uns 20 minutos, então ela parou de rir e perguntou se eu teria mesmo coragem por R$500, e eu pensei bem e disse: ?Por que não? Se você pagar eu faço, garanto!?. Resumindo, ela topou a aposta certa de que eu não teria coragem de fazê-lo. Pois bem, estava decidida a encarar esta aposta para angariar R$500, apesar de ser algo bem estranho, e já tinha até a estratégia traçada em minha mente, mas sem pensar muito nos detalhes sórdidos.

Na sexta-feira, coloquei meu short de academia, bem curtinho e justinho no meu bumbum, e coloquei só um colete fininho de zíper que deixa minha barriga toda de fora, e deixei o zíper bem aberto para aparecer muito bem meus seios (sem nada por baixo, nem calcinha nem sutiã). Prendi meu cabelo, coloquei um perfume, chamei minha amiga e lá fomos nós ao supermercado. Não me deixei distrair no meio do caminho por alguns homens me olhando, pois tinha um objetivo, por mais estranho que fosse. Chegamos ao supermercado e lá estava ele encostado na parede de fora só olhando o movimento, o sr. Silvério e seus 82 anos. Minha amiga ainda duvidou e disse para irmos embora, mas eu estava decidida e afirmei: ?Quero meus R$500 hoje, em dinheiro, viu?? e dei uma piscadinha para ela. Ela começou a rir e se afastou, então fui andando em direção a ele como quem não quer nada e ele me secando da cabeça aos pés, quietinho. Foi então que eu cheguei à frente dele e dei um sorriso: ?Bom dia sr. Silvério, lembra de mim, Marcinha? Conheço o sr. desde pequena! Como vai??, e ele ficou sem ação. Segundos depois ele disse que estava tudo bem com ele, e como eu havia crescido rápido. Lembrei então que ele era zelador de prédio antigamente e aproveitei a deixa: ?Sr. Silvério, o senhor era zelador, né? Pode me ajudar com a pia do meu banheiro lá em casa?? e ele simplesmente abriu um sorriso meio sem graça e concordou, então me acompanhou até meu apartamento.

Chegando ao meu apartamento, tirei meus tênis e pedi pro Sr. Silvério tirar os sapatos, para ficar mais à vontade. Então o segurei pela mão e o levei até o banheiro e inventei um problema. Obviamente não havia problema algum, mas eu tinha que inventar alguma coisa, então pedi para ele dar uma olhada no encanamento da pia. Ele prontamente se abaixou e foi fuçando. Enquanto isso corri pro quarto, tirei a roupa e coloquei uma toalha de banho enrolada, e continuei sem nada por baixo. Então corri pro banheiro e perguntei como estavam as coisas, e ele disse que parecia tudo bem, não via problema algum, mas foi ligando a torneira e mexendo na pia. Deixei, então, cair ?acidentalmente? meu brinco, e dei um grito: ?Meu brinco!? enquanto me coloquei de quatro no chão com a bunda bem empinada e com o rosto quase colado no chão procurando. Quando olhei de canto de olho, o Sr. Silvério estava estático com os olhos arregalados, pois notavelmente minha bunda ficou completamente exposta e virada para o teto, exibindo minha marca de fio-dental e minhas partes íntimas completamente depiladas. Fiquei fazendo teatrinho de ?caça ao brinco? enquanto ele ficava lá parado, então percebi que algo estava crescendo sob sua calça, e era exatamente o que eu queria. Levantei meu rosto bem em frente ao seu pênis, olhando para aquele volume por debaixo da calça e fiz uma cara de espanto, dizendo: ?Sr. Silvério! O que é isso? Que vergonha, é coisa que se faça?? e ele ficou todo sem graça tentando se explicar. Então eu disse: ?Deixa pra lá, afinal de contas o Sr. está me fazendo um favor...qualquer coisa que precisar, estarei no meu quarto.? e fui prontamente até meu quarto, onde me posicionei deitada de bruços com a toalha levantada até a metade da minha bunda, deixando tudo exposto, e com a janela aberta, fingindo que estava tirando um cochilo.

Passados uns 10 minutos percebi que ele entrou no quarto, e quando olhei de cantinho de olho o vi parado lá, estático olhando pra minha bunda. Certamente ele estava à beira de um ataque de tanto vislumbrar minhas partes íntimas expostas a todo instante. Enquanto isso eu fiquei lá, esperando, e quando tive a oportunidade certa, me deitei de lado e encolhi as pernas na tradicional posição de conchinha, deixando minha xoxotinha e meu cuzinho totalmente expostos pra ele, que ficou atordoado com a cena. Não deu outra, ele se agachou silenciosamente do lado da cama de frente pra minha bunda e colocou a mão delicadamente nela, com o intuito de não me acordar. Ele começou a alisá-la devagar, com muito cuidado, passando os dedos no meu cuzinho...depois na minha xoxotinha...intercalando. Eu podia ouvir nitidamente sua respiração ofegante de tesão. Para quebrar um pouco o clima, me mexi rapidamente ainda fingindo estar dormindo, então ele correu rapidinho pro banheiro de novo, então me levantei e fui ver como ele estava. Ele estava todo sem graça fingindo que estava mexendo na pia, e ainda disse: ?Oh Marcinha, ainda bem que você chegou, acho que precisarei pegar ferramentas para verificar o cano.? e eu prontamente respondi ?Ah, vamos lá, eu o acompanho até sua casa para pegar as ferramentas, é o mínimo que posso fazer.? e de fato o acompanhei. Mas antes, me troquei...fiz questão de colocar uma calça branca fininha e transparente de ginástica e meu colete fininho de zíper que deixa minha barriga toda de fora, mas desta vez com o zíper fechado. Ele mora a duas quadras do meu prédio, em uma casa meio antiga, sozinho.

Ele abriu o portãozinho, trancou depois que eu passei, e então entramos na casa dele, e percebi que ele trancou a porta também, mas até aí sem problemas. Ele foi até os fundos da casa, no quintal, buscar a caixa de ferramentas, e enquanto isso fui dando uma olhada curiosa pela casa. Ele estava demorando um pouco, então fui até o jardim do quintal para vê-lo, e ele de fato estava procurando ferramentas. Então cheguei bem perto, me curvei deixando meus seios bem próximos ao rosto dele e abri o zíper até o final, dizendo: ?Nossa, como está quente hoje Sr. Silvério, se importa se eu me sentar naquela cadeira?? apontando para uma cadeira reclinável exposta no jardim. Antes que ele pudesse dizer algo, pois estava quase beijando meus seios, fui me deitar ao sol na cadeira reclinável e me estiquei todinha. Ele ficou sem reação, só olhando meu corpo, sem emitir um som sequer. Percebi, então, que ele não estava tão à vontade com o fato de eu parecer tão oferecida...e eu sei do que os homens gostam quando não se aproximam das oferecidas...eles gostam de resistência! O jogo estava ficando interessante e eu estava começando a amar o desafio, tornou-se algo pessoal. Foi então que decidi mudar de estratégia e passar a ser a vítima: ?Sr. Silvério, quer saber, deixa pra lá, vou pra casa, não me sinto muito à vontade sozinha aqui com o Sr., mas não se ofenda!? e ele disse ?Não, espere, relaxe um pouco aí que trarei algo pra você!?. Na mosca! Ele queria dominar a situação! Eu esperei e ele trouxe um suco, então fui tomando e permaneci inclinada na cadeira, com os seios quase pra fora, então...ooops! Derramei suco nos seios: ?Ai Sr. Silvério, olha o que eu fiz, me desculpe, me perdoe!? fazendo cara de choro, de inocente, e ele ?Calma, calma, fique aí paradinha!? enquanto esfregava sua blusa com a mão em seus seios. Então eu me fiz de assustada, dizendo: ?Não Sr. Silvério, não faz isso comigo, por favor!? e ele se sentiu no controle.

Prontamente ele foi dizendo: ?Fique quietinha aí! Olha a sujeira que fez, agora tenho que limpar!? apertando meus seios com a mão direita e segurando com força meu braço direito com sua mão esquerda, me mantendo presa à cadeira, e deitada. Aí eu caprichei no teatrinho, consegui começar a chorar implorando pra ele parar, e ele foi ficando mais louco e me segurando com mais força! Nunca imaginei que ele poderia ser tão sádico. Ele abriu meu colete e meus seios pularam pra fora, e quando ele foi abocanhá-los...levantei com tudo e fiz menção de correr, então ele me agarrou com tudo por trás, me derrubando de cara no jardim, e ele em cima de mim, e eu continuei fingindo chorar desesperada. Ele estava amando! Então fingi desmaiar, e quando ele percebeu saiu de cima de mim. Fiquei parada ali, curiosa pela reação dele, até que....de repente só tive tempo de sentir minha mãos presas pra trás...ele me amarrou! Então senti ele arrancando minha calça, e quando viu que estava sem calcinha, só ouvi: ?Minha Nossa Senhora, que rabo gigante e delicioso! Puta que pariu, cuzinho depilado...nunca comi um cuzinho...que bundona gostosa, Meu Deus!?. No ato ele começou a apertar e acariciar minha bunda com vontade, gemendo e ofegante, mordiscou, lambeu...até que senti ele segurando firme minhas nádegas e afastando com as duas mãos...fiquei apreensiva na hora, pois achei que ele fosse entrar com tudo em mim a seco, mas então senti a língua dele no meu cuzinho, lambendo e forçando para entrar. Eu comecei a ficar excitada, acho que seria impossível não ficar com uma língua no meu cuzinho. Ele ficou gemendo e lambendo meu cuzinho, enfiando a língua dentro com vontade a todo instante.

De repente, ouvi ele gemer e senti algo melado em minhas pernas...ele havia gozado, já! Percebi que ele ficou frustrado e tentava desesperadamente endurecer novamente, enquanto lambia meu cuzinho, mas sem sucesso. Então antes que eu pudesse provocá-lo um pouco, ele tirou a língua do meu cuzinho e veio se ajoelhar na minha frente...então puxou minha cabeça pelo meu cabelo e me forçou a chupar o pinto melado dele...como eu sabia que ele queria se sentir no poder, resisti o máximo e chorei, até ele forçar...isto o deixou tão excitado que quando engoli aquele pinto delicioso já estava quase 100%. Então disparei a chupar como uma louca, pois estava super excitada na hora já...e quando ele colocou três dedos dentro de mim ele percebeu, e não deu outra: Ölha que safadinha, está excitada com o papai é? O Papai vai te dar uma lição, sua menina má!?e eu entrei no joguinho dele para ver até onde ía ?Não papai, não me machuque por favor, eu me comporto papai, eu faço o que quiser direitinho!?. Ele ficou doido, até sorriu de tesão.

Ele mandou eu calar a boca, entou de pernas abertas na cadeira de sol dele e mandou: ?Levante-se e venha já aqui com o papai, filhinha! Você precisa aprender a se comportar direitinho, viu??. Eu prontamente me levantei, ficando de joelhos, e rastejando até ficar cara-a-cara com o pinto dele, fazendo carinha de chorona, então ele disse: ?Como você é safada...desde que você era uma garotinha eu sonhava em ter você pra mim, eu nem acredito...? e para provocá-lo, eu disse ?E agora, papai, sou todinha sua, me desculpe por ter aprontado tanto assim!?. Antes que ele pudesse dizer algo, eu prontamente engoli o pinto rígido dele...quando estava com ele até o fundo da garganta, quase sem respirar e ouvindo ele gemer impressionado com a cena, coloquei minha língua lentamente para fora e envolvi as bolas dele, massageando-as com minha língua e forçando a cabeça do pinto dele bem fundo na minha garganta. Fiquei fazendo isso uns 5 minutos, então enquanto ele ainda estava se contorcendo de tesão, cuspi para fora o pinto dele todo babado, me ergui um pouco indo para a frente e soquei o pinto dle entre meu seios, deixando-o bem apertadinho entre eles, e ele instintivamente segurou meus seios e apertou ainda mais contra seu pinto, já que eu estava com as mãos amarradas ainda. Então comecei o delicioso movimento para cima e para baixo com os seios, masturbando ele com meus melões enquanto chupada aquela cabeçona com força, como quem quer sugar todo o leitinho. Ele ficou insano de tesão e antes que eu pudesse perceber senti um jato imensamente forte e prolongado de gozo espirrando direto na minha garganta, e para eu não engasgar eu imediatamente bloqueei a cabecinha do pinto dele com a base da minha língua, fazendo todo o gozo que eu ainda não havia engolido escorrer para fora da minha boca, enxarcando meus seios de gozo e lubrificando o pinto dele. Para não perder a chance, continuei chupando e masturbando ele com meus seios melados...só ouvi ele dizendo baixinho ?Meu Deus, eu vou morrer...?, mas vi que era puro tesão e cansaço de tanto gozar. Rapidinho eu deixei ele duro novamente, e desta vez estava latejando na minha boca, de tão duro que ficou por ter gozado tantas vezes seguidas.

Logo em seguida ele levantou e me puxou pelo cabelo, dizendo ?Vem aqui sua filhinha mal criada, onde já se viu fazer essa sujeira toda, sua pervertida? Você não tem vergonha? Agora não terá perdão, aprenderá a ser educada por mal!?. Enquanto falava, me puxando pelo cabelo com força, me jogou com a cara no jardim novamente, mas com a bunda totalmente empinada e as pernas abertas, e só tive tempo de sentir aquele pinto imensamente duro entrando naminha xoxotinha até o fundo, e ele começou a estocar com tanta força que eu estava esfregando o rosto no gramado, podia sentir as gramas saindo da terra, mas estava muit excitante, mais do que eu esperava...sinceramente achei que esta ?brincadeira?seria muito sem graça, mas estava deliciosa!

Ele deve ter ficado estocando por uns 20 minutos, apertando e puxnado meus seios com força, ainda melados com o gozo dele, escorregando em suas mãos. Eu não aguentei e acabei soltando ?Papai, come meu cuzinho logo, mete esse pinto delicioso na minha bunda com força, vai vai vai!?. Eu AMO sexo anal, e até que para um velho que estava diante de uma bunda grande e linda com marquinha de fio-dental, ele estava demorando para tentar comê-la. Ele não perdeu tempo, senti o pinto dele saindo da minha xoxotinha e encostando no mue cuzinho...eu estava tão louco que antes dele tentar, eu mesma forcei a bunda com tudo em cima do pinto dele, engolindo até sentir as bolas dele baterem na minha xoxotinha. Sö ouvi um grito de tesão de quem quase gozou sem querer, rs, e eu gemi alto liberando todo o meu tesão. Comecei a bater com força minha bunda contra o pinto dele...quando a cabecinha estavapara sair eu metia fundo com tudo até as bolas baterem na minha xoxotinha, e assim se seguiu por longos 20 minutos de puro tesão, com ele esmagando meus seios com ambas as mãos e eu rebolando como louca no pinto dele. Então eu não me aguentei e gzei muito gostoso, soltando um urro de tanto tesão e amolecendo ali no chão...ele ficou tão excitado com meu tesão que tirou o pinto da minha bunda e prontamente puxou minha cabeça pelo cabelo, apontando aquele pinto latejante para o meu rosto....eu louca para chupar, forcei para alcança-lo com minha boca, mas ele puxou meu cabelo mais forte e me segurou com a boc aberta, jorrando um imenso jato de gozo no meu rosto e na minha boca....eu precisava gozar denovo com aquele tesão todo daquela depravação, e quando ele ficou mole com a gozada, eu consegui forçar e alcançãr com a boca aquele pinto inchado. Logo que comecei a mamar insanamente de novo, senti a corda afrouxar e pude soltar minhas mãos finalmente. Joguei-o no chão, virado para cima, e sentei com tudo no pinto dele, mesmo meio mole ainda, vazendo ele entrar devagar escoregando com o próprio gozo. Ele não conseguia mais falar de tanto cansaço, e eu achei aquilo o máximo, mais um homem que não aguenta o tranco, rs. Comecei a cavalgar no pinto dele até ficar durinho, e ele pediu só conseguiu falar que estava doendo...eu nem liguei, me ergui mais um pouco tirando ele de dentro da minha xoxotinha e sentei com tudo meu cuzinho no pinto dele, aí sim a brincadeira começou. Me apoiei com as duas mãos no peito dele, meposicionei agaichada sem tirar o pinto dele da mina bunda, e comecei a pular...ele ficou hipnotizado cao ver meus enormes seios pulando enquanto sentia meu cuzinho engolir seu pinto e apertá-lo com força lá dentro. Me abaixei um pouco e fiquei batendo meus seios no rosto dele, e ele começou a chupá-los desesperadamente, babando neles. Quando percebi que ele estava próximo de gozar novamente, comcei a sentar no pinto dele com mais força para estimulá-lo, comecei a me masturbar com três dedos para chegar mais rápido, e segurei meu seio esquerdo colocando-o na boca dele para ele chupar, então disse: ?Papai agora o senhor ficará feliz com a filhinha, porque vou te ensinar a chupar direito meus seios e me comer com vontade tá??e dei uma piscadinha bem sacana. Quando senti o jato entrando no meu cuzinho, saí de cima dele e rapidamente me deitei nele, envolvendo o pinto com meus seios e engolindo aquele pinto jorrando gozo ainda, terminando de masturbá-lo com seus seios melados, apertando com força, e chupando até a última gotinha. Estava tão satisfeita com aquele sexo gostoso, que só parei de cuhpar quando ele realmente ficou mole. Então enquanto ele me olhava babando e com cara de quem ia desmaiar, eu fiquei agaichada na frente do pinto dele, coloquei três dedos dentro do mue cuzinho para melar com o gozo dele, e em seguida chupei até limpar, olhando profundamente nos olhos dele e sorrindo. A última coisa que disse foi: ?Pronto papai, agora eu te ensinei a me comer direitinho, e tomei todo o leitinho!?.

Ele ficou calado, deitado no jardim, enquanto fui me limpar no banheiro. Quando voltei, ainda nua, mas limpinha, fique olhando para ele no chão e ele só disse: ?Meu Deus, o que eu fiz? Não tenho como agradecer pelo prazer que me deu...e me desculpe por te tratar assim.?. Somente dei um sorriso, enquanto colocava minha roupa, e disse: ?Foi só uma aposta, mas foi bem gostosa!? e dei uma piscada e um sorriso.

Ele ficou sem entender, mas nem deve ter se importado com aquilo, pois certamente foi a elhor transa da vida dele, rs. Curioso se aconteceu algo mais depois? Quem sabe, se quiser tente me perguntar! ;)



marcinha_academia@yahoo.com

 

Gostou? Vote no Conto:

103289 visitas