Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

O advogado e a ruiva | Heterosexuais | Acervo de Contos

O advogado e a ruiva

Era final de tarde, de uma sexta feira chuvosa. Augusto estava cansado da semana puxada que teve no escritório, quando Dona Antonia - sua secretária - interfonou avisando que uma cliente que não havia marcado hora insistia em lhe ver. Não costumava atender clientes sem hora marcada, mas instintivamente resolveu receba-la. Quando viu a mulher ficou impressionado ao constatar que se tratava de uma linda ruiva de pele clara e olhos verdes, em torno de 1,75m de altura e 60 Kg que ao adentrar a sala inundou seu escritório com seu delicioso perfume. Ela se apresentou como Sandra, e disse que precisava de um advogado, pois havia saído de casa após uma violenta briga com o marido. Como Augusto já havia prestado seus serviços com sucesso a uma amiga, por indicação resolveu lhe procurar. Ela contava detalhes da discussão, mas ele não conseguia desviar o olhar de seu corpo. Seus olhos mapeavam aquela maravilha: vestia uma blusa branca de tecido fino quase transparente, com os alguns botões abertos que deixavam à mostra o sutiã igualmente branco sustentando aquele par de seios fartos. Uma saia justa escura esculpia aquele corpo voluptuoso, dando forma àquela bunda proporcionalmente arrebitada. Uma meia calça preta vestia aquele par de pernas cruzadas à sua frente, que desencadearam diversas fantasias pervertidas em sua mente. Ainda bem que a mesa lhe acobertava, pois vendo aquela gostosa seu cacete já dera sinal de vida e pulsava dentro da calça. Ela olhava para Augusto com aqueles olhos verdes penetrantes, e sua boca carnuda com lábios vermelhos lhe perguntavam se ele poderia ajudar. Tentando parecer calmo, respondeu que iria estudar o caso e que precisava de algumas informações para inicialmente preencher sua ficha, mas quando chamou Dona Antonia, percebeu que já havia encerrado expediente e que a secretaria já havia ido embora. Precisou levantar-se para buscar alguns papeis em outra sala, e não houve como disfarçar o volume em sua calça visto que seu membro permanecia enrijecido como aço. Mesmo tentando esconder, notou que ela ficara um pouco sem jeito na cadeira e seu rosto avermelhou-se rapidamente. Foi até a sala de Dona Antonia pegar os papéis e para seu espanto quando retornou ao escritório, percebeu que ela havia mudado sua expressão e agora lhe olhava como uma felina no cio, mordiscando levemente os lábios se recostando na cadeira. Sandra praticamente comia Augusto com os olhos, como se fosse o último homem da terra. Ele um moreno alto e forte de olhos azuis, nunca tivera um corpo de modelo, daqueles malhados hora a fio na academia, mas os anos de squash e tênis lhe ajudavam a manter a forma, e do alto dos seus 1,92m estava feliz com os 86 Kg. Então ela levantou-se, deu a volta na mesa, foi em direção de Augusto e já lhe segurando pela gravata disse que estava feliz em separar-se do marido, e como não havia mais motivos para fidelidade disse que iria aproveitar para realizar suas fantasias. Sem que tivesse tempo de qualquer reação, tascou um beijo cinematográfico no excitado advogado, enquanto sentia seus braços pressionando seu corpo contra o dela. Augusto correspondeu segurando os cabelos de Sandra e beijando seu pescoço descendo até aqueles peitos maravilhosos. Sugava aqueles bicos com vontade, e podia senti-los arrepiados de tesão, enquanto ela gemia de prazer e arrancava o restante de sua roupa, permanecendo apenas com sua meia calça preta e seus sapatos chiques de salto alto... Mal teve tempo de admirar aquele corpo perfeito e lá estava ela, de joelhos à sua frente. Enquanto Sandra tirava o cinto e despia sua calça, Augusto percebeu que ela lhe olhava com um sorriso maroto... Quando tirou de dentro da cueca os 22 cm de vara eretos e prontos para o serviço, Sandra ficou surpresa, contemplou brevemente o instrumento e confessou que nunca havia visto de perto um membro daquele porte, colocando-o imediatamente em sua boca. Olhando diretamente para os olhos de Augusto, Sandra mamava sua pica lentamente passando aqueles lábios carnudos por toda a extensão da piroca. Esfregava a imensa cabeça do pau de Augusto pelo pescoço e peitos, e novamente introduzia em sua boca, sentido que ele pulsava em sua língua. Muito excitada, ela levantou e sentou-se na mesa, abrindo as pernas e puxando o rosto de Augusto contra sua xoxotinha melada. Por longos minutos, ele pôde sentir em sua boca o mel que vertia daquela buceta, o grelinho duro passeando em seus lábios e enquanto as mãos da ruiva afagavam seus cabelos ele lambia, chupava e enfiava a língua naquela xoxota, até sentir seu corpo estremecer num orgasmo longo e intenso. Suas pernas logo amoleceram, e deitando-se de costas sobre a mesa pediu pra que ele metesse o cacete em sua xaninha , pois queria sentir o vigor daquele membro dentro de suas carnes. Segurando-a pelos tornozelos, Augusto ergueu suas pernas para que ela pudesse sentir todos os centímetros de sua pica entrando lentamente, até estufar aquela bucetinha inchada pelo desejo. Foi aumentando o ritmo, observando que ela se contorcia e passava as mãos pelos seios, pernas, pescoço... Era uma vontade reprimida de trepar... Ela gemia com a sensação daquele pau penetrando e preenchendo a totalidade de sua buceta encharcada. Sandra arqueva suas costas e pedia pra que ele metesse com vontade, mas ela a provocava e intercalava entre a força e a suavidade, então ela ergueu-se e segurando no pescoço de Augusto rebolava no seu pau, esfregando os seios em seu peito, e enroscava suas pernas em suas costas. Levantaram e ainda com o membro de Augusto dentro de Sandra, sentaram-se na cadeira... Ele podia vê-la cavalgar violentamente, enquanto tentava manter aqueles peitões em sua boca, sugando e mordiscando aqueles biquinhos durinhos. Sandra urrava de tesão, pedindo pra que ele a rasgasse toda, até que novamente estremeceu num violento orgasmo... ela não queria parar, gritava e gozava, continuava cavalgando emendando aquele orgasmo em outros por vários segundos, e enquanto gozava pressionava o rosto de Augusto contra seus seios o deixando quase sem ar. Totalmente em êxtase, beijaram-se e Augusto percebeu o corpo de Sandra totalmente relaxado... sentiu que o grand finale se aproximava, e então a colocou de em pé com a barriga e os cotovelos sobre a mesa, afastou suas pernas ainda trêmulas, beijou carinhosamente aquele bumbum até chegar com a língua em seu cuzinho, ela percebeu sua intenção e ficou com medo de que ele pudesse machuca-la com aquele pau imenso, mas já não tinha forças para resistir e pediu apenas para que o advogado fosse cuidadoso... Augusto já estava louco de tesão, e sabia que não agüentaria mais por muito tempo antes de gozar, mas queria ouvi-la implorar pela sua vara, colocando carinhosamente a cabeça quente do seu pau na entrada do rabinho dela, e com ele todo melado foi esfregando até que ela arrebitou bem a bundinha e disse: ? Você quer? Então vai gostoso, come meu cuzinho, come!!? Ele, não teve duvidas e segurando firmemente em sua cinturinha enfiou com gosto tudo de uma só vez...ela deu grito e segurou forte na mesa pois percebeu que ele não iria parar de socar freneticamente até gozar...estocada atrás de estocada, Augusto ouvia os gemidos de Sandra que eram uma mistura de dor e prazer... metia fundo até suas bolas baterem em seu grelinho e tirava tudo de uma vez...sentia o cuzinho apertado fervendo com seu caralho, e quase dava pra ouvir as pregas da ruiva arrebentando,... Depois de alguns segundos ela olhou pra trás, e com o mesmo sorriso maroto disse que queria provar o gosto do leite quente daquela pica...Augusto agarrou Sandra pelos cabelos com força, e dirigiu seu rosto direto pro seu cacete...ela abocanhou a cabeça e com a ajuda de uma das mãos tratou de ordenhar incansavelmente aquela vara até que um jato quente e vigoroso inundou sua boca com sêmen. A quantidade de esperma era tamanha que escorria pelos cantos dos lábios carnudos e bezuntava aqueles peitões maravilhosos, chegando ainda morno na xoxotinha que ela insistia em esfregar com a outra mão. Ainda lambendo o cacete lambuzado de porra, ela confessou que mesmo casada há muito tempo, nunca tinha trepado daquela forma com o marido e que adoraria repetir a dose um outro dia. Augusto respondeu que estaria disponível sempre que ela precisasse, e que era um prazer ajuda-la. Para surpresa do advogado, dias depois ela se reconciliou com o marido e ele acabou perdendo uma cliente, mas em compensação ganhou uma linda admiradora que volta e meia marca uma hora para matar a saudade da inesquecível trepada.

 

Gostou? Vote no Conto:

19306 visitas