Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Inversão no Sul de Minas | Fetiche | Acervo de Contos

Inversão no Sul de Minas

Conheci Sandra pela internet. Pele clara, 1,70m, 58 Kg, pés lindíssimos! Trocamos emails por algumas semanas até que depois de conversarmos por telefone resolvemos nos encontrar pessoalmente. Fiquei pasmo! Seu olhar era penetrante, sua personalidade forte, uma mulher e tanto. Do alto de seus 30 anos era exatamente quem eu estava procurando. Desse primeiro encontro ficou a vontade de realizar fantasias, pois conforme tínhamos conversado por semanas, nossos interesses eram coincidentes. Mas esse encontro foi apenas para nos conhecermos, conforme combinamos. Sandra calçava um belo par de sandálias de tiras finas, nem baixa, nem alta, que deixava seus lindos pés 38 bem delineados, esmalte clarinho. Eram pés lindíssimos, perfeitos! Não pude deixar de fazer-lhe um elogio, no que ela agradeceu com um belo sorriso. Nosso encontro terminou com uma interrogação, pois conforme combinamos, era apenas para nos conhecermos, foi em local público, um barzinho e depois nos despedimos cada um com a dúvida se iríamos nos ver novamente. Essa foi uma condição imposta por Sandra. E eu jamais ousaria desobedecê-la



Passaram-se duas semanas sem nenhum contato até que meu celular tocou numa segunda-feira logo no começo da noite. Era Sandra. A ordem foi clara, eu teria uma hora para espera-la na esquina indicada por ela, um lugar deserto naquela hora. Cheguei ao local com 10 minutos de antecedência. Foi uma longa espera. Logo um carro parou ao meu lado. Era Sandra. Ela abriu a porta e fez sinal para eu entrar no banco de trás. Mal entrei no carro e ela me disse que eu deveria obedecer todas as suas ordens, caso contrário não a veria mais. Seu carro tinha vidros escuros e ela me disse para deitar no banco. Obedeci a sua ordem. Da forma como eu estava não conseguia ver para onde estava me levando.



Foram uns 20 minutos sem nenhuma palavra, até que o carro parou e ouvi um barulho de portão de garagem se abrindo. Mal o carro parou e o portão se fechou, Sandra ordenou que eu saísse do carro. Entramos e fomos direto para um quarto. Ela estava calçando um par de sandálias de tiras finas, só que bem alta. Sandra mandou me ajoelhar a seus pés e lamber a sola da sandália. Fiz como ela mandou, já louco de tesão. Lambi a sola até que ela mandou que eu retirasse suas sandálias e lambesse seus pés. Fiz como ela mandou. Meu tesão era enorme! Não acreditava que aquilo estivesse acontecendo comigo!



Lambi seus pés, seus dedinhos, a sola, o calcanhar até que ela me atirou uma calcinha minúscula e disse para eu me despir, vestir a calcinha, mas só depois que ela saísse do quarto e que ficasse de quatro no chão com a cabeça voltada para o lado oposto ao da porta. Ela me deu um pedaço de tecido preto e mandou que eu amarrasse na cabeça de forma que não visse nada. Fiz como ela mandou, mas a espera foi longa, uns 20 minutos, até que ouvi um estalo e senti uma dor deliciosa na minha bunda. Sandra aplicava golpes lentos e descompassados na minha bunda. Só após um tempo percebi se tratar de uma sandália de borracha. Sua mão era pesada, firme. Os golpes eram dados de forma que era impossível prever quando seria dado o próximo. Meu pau estava duro que doía. Sandra me chingava de tudo quanto era palavrão, mas de forma doce e sacana, sem gritos. Sem escândalo. Não consegui me segurar e acabei gozando na calcinha. Após umas 40 chineladas ela parou. De súbito arrancou a calcinha e vendo que eu havia gozado me disse que iria me castigar por isso. Senti uma sensação estranha, pois apesar de ter gozado, com um pouco de dor, ainda sentia um prazer estranho, delicioso.



Sandra cravou suas unhas na minha bunda, me arranhando todo. Minha bunda estava dolorida. Sandra aplicou algo gelado no meu cu e logo em seguida começou a forçar a entrada com um objeto que depois fui saber era um vibrador. Ela colocava e tirava. Meu pau ficou duro novamente. Após uns longos minutos assim ela arrancou a venda e me puxou pelos cabelos, levando minha boca até sua xoxota depilada, mandou que eu a chupasse. Lambi sua xana e seu grelo deliciosamente até que em pouco tempo ela emitiu um urro seco. Meu pau ainda estava duro. Ela mandou que eu me deitasse no chão de costas e passou a me massagear com o pés. Passava seus lindos pés por meu corpo todo, até que passou a massagear meu pau e meus testículos. Meu pau estava duríssimo. Ela então me disse que eu iria ser castigado por ter gozado sem sua permissão. Sem mais nenhuma palavra, ela apertou meu saco com seu pé. Urrei de dor! Uma dor indescritível e ao mesmo tempo deliciosa!



Tudo terminado, Sandra mandou me vestir e em seguida me levou até a garagem da sua casa, que até hoje não sei onde fica, me mandando entrar no carro no banco de trás e me abaixando. Ela então me levou até o mesmo local onde havia me pegado e me mandou descer. Nunca mais a vi, nem consegui nenhum contato, quer por email, quer por telefone.



Tenho 42 anos, moreno claro, olhos e cabelos castanhos, 1,80m, 80 kg formação superior, solteiro e sem filhos, bem apessoado. Procuro mulheres do Sul de Minas, região de Varginha, que curtam inversão, spanking leve, podolatria e que queiram alguém para amizade ou quem sabe realizar fantasias com grande possibilidade de relacionamento sério.

 

Gostou? Vote no Conto:

967 visitas