Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Iniciei minha cunhadinha | Fantasias | Acervo de Contos

Iniciei minha cunhadinha

Olá, meu nome é Felipe e escrevo meu primeiro conto a este site. Tudo que vou relatar aconteceu na véspera deste último reveillon. Tenho 24 anos, 1,79m, 85 kilos e porte atlético (apesar de não ser musculoso e torneado) e namoro com uma moça há 4 anos, quando começamos a namorar ela era virgem e perdeu o cabaço comigo. Há tempos não transamos e isso me incomoda muito, foi então que comecei a ter olhos para a irmã mais velha dela. Apesar dela ter namorado isso não atrapalhou minha fantasia, que mal sabia eu, iria se concretizar. Neste dia 30 de Dezembro a família da minha namorada Letícia viajou para a praia afim de preparar tudo para o Ano Novo. Como eu ia passar a virada entre família fiquei na cidade, assim como a irmã dela Juliane, que até então era personagem apenas de meus pensamentos pecaminosos. Ela teria que trabalhar e só viajaria no dia seguinte. Estava sozinha em casa, eu já sabia disso, mas não me atreveria a ir até lá e cantar minha cunhada. Ás 19h meu celular toca e pra minha surpresa era ela! Queria conversar algo comigo e disse que só poderia ser pessoalmente. Fui até lá e mesmo ainda cedo ela estava de pijamas, shortinho e blusinha rosa que estampava seu mamilo. Juliane também tem 24 anos, morena alta, magrinha estilo modelo, seios pequenos, porém durinhos, empinados, naturais de uma moça da idade dela, que pra minha surpresa ainda não havia transado. É isso mesmo, foi isso que ela me contou neste dia. Disse que queria experimentar com o namorado que também era virgem, mas que resolveu transar antes para saber o que poderia acontecer entre os dois previamente. E quem seria o responsável por essa iniciação? Eu mesmo! Ela explicou que sabia que a irmã mais nova não era mais virgem e que contava sobre nossas transas pra ela. Suei frio na hora desta revelação e até me assustei com medo de que Letícia viesse a descobrir. Então falei que iria pensar. Era puro blefe, saí da casa dela e tomei rumo a uma farmácia, comprei camisinhas e gel lubrificante. Voltei meia hora depois e meu pau já não se aguentava mais dentro da bermuda. Eu aproveitaria cada minuto daquela noite, afim de me deliciar realizando minha fantasia e claro ensinar tudinho pra gostosa da minha cunhada. Sentamos no sofá da sala e começamos a nos beijar só que comecei a descer pelo seu pescoço visando chegar aos seios, afinal beijar ela já sabia, a minha função ali era outra. Tirei a blusa dela e chupava os peitos como imaginei em meus sonhos eróticos enquanto isso com a mão direita eu pressionava seu clitóris por cima da calcinha já percebendo que ela tinha a xana peluda. Deixei minha cunhada completamente nua e deitada no sofá. Cai de boca na buceta dela chupando como se chupa uma laranja. Ela gemia, nunca tinha sido tocada ou beijada entre as pernas e por isso não aguentou, dei algumas mordidas no grelinho dela, gozou imediatamente. Para não perder o embalo tirei minha roupa e posicionei meu pau na direção da boca dela, Juliane segurou firme nele e começou a colocar na boca. Não sabia muito bem o que fazia, mas tentava enfiá-lo todo na boca, ensaiando engasgar uma 4 vezes. Fomos para o chuveiro, era uma noite muito quente e queria comê-la em pé. Encostei minhas costas na parede por trás dela e a inclinei. Meu pau foi entrando devagar enquanto ela gritava, talvez não esperava tanta dor. O vai e vem estava delicioso e eu ainda não tinha colocado meu cacete todo na buceta dela. A água caía exatamente entre meu pau e a bunda dela, eu podia ver o sangue descendo, não sei por quê mais aquilo me fez gozar. Nos enxugamos e fomos pra sala, eu disse que a lição ainda não tinha acabado e ela fez tudo conforme eu queria. Apoiada no sofá ficou com a bunda virada pra mim, lambi seu cuzinho e coloquei dois dedos molhados com muito gel, lambuzei meu pau e fui com tudo. Enterrei no cu dela e me preocupei com os vizinhos já que Juliane berrava como se estivesse sendo espancada. O movimento liberava o som do meu pau no cu dela. Usei o gel mais umas 3 vezes e depositei minha porra no fundo do rabo dela. Fomos para a cama dos pais dela e transamos muito, ela gozou mais duas vezes. Só saí de lá 1h30 da manhã. Fiz o que queria com a minha cunhada e nós dois saímos ganhando. Agora ela já sabe o que é trepar e eu realizei meus desejos. Letícia não sabe de nada, mas já sentiu o mesmo que a irmã, sentiram como é mamar gostos em um pau!!!

 

Gostou? Vote no Conto:

37684 visitas