Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Dando para alguns desconhecidos | Fantasias | Acervo de Contos

Dando para alguns desconhecidos

Dando para alguns desconhecidos

Tomei um banho, me perfumei toda, vesti uma combinação nova e ele nem me notou. Chegou do serviço e foi logo se enfiando atrás daquele maldito computador, tentei lhe fazer um carinho, mas ele ficou resmungando, lhe servi o jantar e fui para sala assistir novela, quando a novela acabou eu comecei a lhe chamar para o quarto, mas ele sempre repetia que já estava vindo, já estava vindo e nunca chegava. A hora foi passando, passando e como eu precisava dormir porque iria trabalhar cedo no dia seguinte, fui para cama sozinha. De lá da cama eu ainda o chamei varias vezes para ele vir se deitar comigo, mas ele demorou tanto a vir que eu acabei adormecendo sem conseguir o pinto que eu tanto queria. Adormeci tão excitada que tive um sonho erótico que me deixou louca, parecia ser tão real que quando eu acordei estava toda molhadinha. Levantei assustada e vi que ele dormia, puxei a coberta e fiquei olhando excitada para o seu corpo, comecei a beijar o seu peito nu enquanto a minha mão descia para acariciar sobre a sua sunga o seu pinto que logo ficou bem rígido liberando a cabecinha para fora, mas quando eu pensei em descer para lhe chupar, ele acordou, me segurou e novamente resmungou dizendo que eu não o deixava dormir.

Levantei furiosa e fui tomar um banho, me arrumei e sai para trabalhar, quando cheguei na estação, o trem estava atrasado e assim que a próxima composição encostou na estação foi aquele empurra, empurra para entrar, as pessoas se espremiam como podiam porque mal havia lugar para se segurar e no meio daquela multidão eu senti quando uma mão boba beliscou o meu bumbum, olhei de um lado para o outro mais eram vários rostos na multidão que eu não sabia nem com quem reclamar. A viajem continuou e durante o percurso novamente eu senti aquela mão boba me alisando, tornei a olhar para trás em vão e em seguida senti que eram mais de um mão me alisando, provavelmente eu fiquei vermelhinha de vergonha, mas não tinha como eu vencer aquela multidão para sair dali e a composição não prosseguia porque estava aguardando sinalização. Me remexi no próprio lugar tentando ficar de frente para aqueles abusados e acabei ficando com o meu bumbum colado no pinto de um homem, quando aquele volume foi endurecendo, eu me vi louca, porque ainda estava elétrica e senti a minha xaninha latejar de tesão desde a noite passada. 

Me senti completamente despida diante daqueles olhares tarados, olhava para cada homem com a incerteza de que ele poderia ser uns dos abusados que me passaram a mão e quando tentei me virar para fugir do pinto duro que roçava no meu bumbum, fiquei cara a cara com aquele homem másculo, podia sentir o seu hálito de menta enquanto reparava na sua barba por fazer, nossos rostos estavam tão próximos que eu quase me senti beijada por aquele estranho e enquanto eu reparava em cada detalhe do seu rosto, havia outro pinto duro roçando no meu bumbum. Eu não deveria ter virado de costas novamente para aquele homem, foi como se eu tive-se lhe dado a permissão para prosseguir, uma mão insistente foi levantando suavemente o meu vestido e quando eu me dei conta eles já estavam puxando a minha calcinha, tentei segurar mais eles a rasgaram no meu corpo.  Envergonhada por estar exposta na rua, abaixei a minha cabeça e intervir uma das mãos que se preparava para tocar na minha xaninha, só que uma outra conseguiu furar o bloqueio enquanto outras apertavam o meu bumbum e de repente eu me estremeci toda quando senti aquele pinto duro escorregando por trás entre as minhas pernas, sem me penetrar ele iniciou um vai e vem esfregando o seu pinto duro na minha xaninha e como eu já estava toda molhadinha foi uma questão de tempo para o seu pinto duro achar a entrada da minha xaninha que se abriu toda convidando aquele estranho para entrar. Enquanto ele me possuía não sei dizer quantos ma alisavam ou beliscavam o meu peito, seguros pela multidão ele socava ferozmente a minha xaninha, mas logo saiu dando a vez para outro desconhecido também me possuir. Novamente fui virada e um terceiro desconhecido se preparava para me possuir quando a composição deu uma brusca freada. No balanço o cara errou a minha xaninha e me invadiu por trás de uma só vez, levei a mão na boca para conter o grito de dor enquanto um outro que veio pela minha frente me enfiava o seu pinto duro na xaninha, parecia que a realização dos meus desejos estava acontecendo porque eu havia sonhado durante a noite com dois homens me possuindo, claro que não dentro de um trem em movimento e nem com vários desconhecidos me possuindo de uma vez, mas agora pela manhã esse desejo estava se tornando realidade. Eles continuaram se revezando ate que eu comecei a sentir um por um latejando dentro do meu corpo. O trem parou numa estação, as portas se abriram e ouve uma troca de passageiros ou de parceiros porque eu continuei sendo possuída por aqueles desconhecidos por mais três estações, quando consegui me livrar deles e desci na plataforma as minhas pernas tremiam, estavam mole e eu me recostei numa pilastra tentando entender tudo o que havia acontecido naquele vagão. Pensei rapidamente que tudo aquilo deveria ser um sonho e que não passava de fruto da minha imaginação ate senti escorrer pelas minhas pernas o prazer daqueles machos vorazes.

 

Gostou? Vote no Conto:

3933 visitas