Acervo de Contos eróticos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto
bundas bundas filmes porno sexo filmes porno porno

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Ainda não transei com minha cunhada | Acervo de Contos

Ainda não transei com minha cunhada

Olá

Este conto não é sequência do ultimo, mas vou contar o que aconteceu na semana seguinte da viajem que fiz na fazenda dos avós de minha namorada.Quem não leu procure o texto "Não transei com minha cunhada"e vocês entenderão como tudo começou.Lembrando que todos os detalhes são verídicos exceto os nomes.

Fui convidado para um churrasco/aniversário na casa de uma amiga da minha namorada.
Era um domingo de sol e resolvi levar minha filmadora com duas fitas, uma para filmar a festa, e outra para filmar possíveis sacanagem, e deu certo.
Quando cheguei na casa delas, para dar carona para a festa, Emília minha cunhada estava saindo do banho e minha namorada entrando,então pedi para deixar a filmadora carregando a bateria no quarto delas, posicionei a lente em cima do criado mudo num ângulo que pegasse o lado da cama da Emília e deixei a filmadora ligada. Discretamente avisei a ela, porque depois do que aconteceu na fazenda achei que tudo era possível, e fui para sala esperar por elas .Algum tempo depois elas ficaram prontas, peguei a filmadora troquei a fita e vomos para a festa.
No fim da tarde após umas cervejinhas e etc,voltamos para casa delas, troquei a fita novamente e coloquei a filmadora ligada no mesmo lugar para carregar .A Emília ficou no quarto e eu minha namorada ficamos na sala assistindo TV. Uma hora depois a Emília saiu do quarto com a mesma roupa da festa e com cara de quem estava dormindo, pensei comigo "ela não se trocou então esta fita não vai dar em nada " .Me despedi de todos peguei a filmadora e fui embora pra casa.
Cheguei em casa, morava sozinho, já era noite, tomei um banho fiquei só de cueca, era verão, coloquei a fita e pensei "vou ver a cunhadinha de calcinha e vou bater uma punheta básica pra ela".
Coloquei a fita,esperei um pouco e ...ela entrou no quarto de toalha, eram as imagens da manhã, a camera ficou muito bem posicionada dava pra ver a imagem bem nítido.
Então ela olha pra camera, vira de costas e solta a toalha, que delicia de bunda, totalmente nua uma cor branquinha, um corpo lindo dava pra sentir a maceis de sua pele sem tocar.
Ai ela veste uma calcinha branca de renda bem enfiada no rego, pega um vidro de loção ou creme para o corpo, coloca um pé na cama e o outro pé fica no chão com a perna bem esticada,se curva e começa a passar o creme, de trás dava pra ver a calcinha saindo do rego e cobrindo aquele puta volume de buceta,essa hora meu pau já estava duraço.Então ela vira de frente senta na cama sem soutiem, fixa o olhar de safada pra lente e abre as pernas escancaradamente como quem diz, "gostou da minha buceta".
Foi a primeira vez que vi seus seios nu, pois no conto passado ainda não tinha visto, e era lindo, pequeno cabia na palma da mão e tinha um bico grande e durinho apontado pra frente, Então ela foi descendo a mão pela barriga com os dedos longos e enfiou por dentro da calcinha, olhando pra camera e massageando bem devagar....não aguentei começei gozar, no teto, na TV ,no sofá foi foda.
Então ela levantou, vestiu a roupa e saiu do quarto.Deixei a fita rolando peguei um drink, desacelerei o coração, começou a filmagem da tarde.
Ela entra no quarto de roupa senta na cama com a perna aberta e fica uns 30 minutos olhando para camera, as vezes olhava para a janela ou para porta, passava a mão no seio, na xana por cima da roupa, ela estava com medo, pensativa, mais com muito tesão.
Derrepente ela foi até a porta, trancou com a chave, voltou virou para filmadora, abriu a calça e abaixou até os pés de uma vez junto com a calcinha.
Caralho...que bucetão...sentou na cama, levantou os pés e ficou na posição de franquinho assado, olhando pra camera expondo a xana pra mim, com a calça e a calcinha pendurada em um dos pés.Sentou novamente tirou a blusa o soutien e o resto da calça, voltou para a posição de franguinho, começou a lamber as pontas dos dedos e levou o dedo molhado até o bico do seio e depois foi direto pra vagina (buceta, xana, xereca,etc) e começou a se masturbar, lentamente, fechando os olhos e enviando o dedo (a imagem era tão boa que dava pra ver o dedo sumindo dentro dela) quando ela tirou o dedo de dentro da buceta e lenvantou a mão pro alto formou um fio de gozo ligando a buceta ao dedo.Nesse momento ela gira o corpo, abaixa os pés e fica de joelhos no chão com as pernas separadas, encosta o peito na cama aponta o cú para filmadora e começa a rebolar.
Eu então num ato desesperado levantei do sofá já batento punheta com muita força, comecei a chamar o nome dela " VEM EMÍLIA, VEM EMÍLIA SUA PUTA ,GOSTOSA SENTE MEU PAU VAGABUNDA" e comecei a gozar na casa inteira tapete, teto, som, tv,
as pernas bamba o coração a mil.
Ela ainda ficou mais uns dez minutos fazendo em varias posições então levantou, vestiu a roupa que estava e saiu do quarto com cara de quem estava dormindo. Aquela noite foi foda bati quatro punheta assistindo a fita varias vezes.
Depois disso tivemos outros lances, estavamos marcando a transa do seculo mas acho que ficamos tão empolgados um com outro que começou a ficar na cara, acho até que ela e levou uma bronca da mãe, ai ela me isolou não deu pra mim e nunca falou sobre o assunto.
Tenho a fita até hoje, esta quardada a sete chaves e num local de dificil acesso por isso vejo uma ou duas vez por ano para matar saudades .
Comente o conto no email
carlosretman@gmail.com
Sou um cara que gosta de observar as mulheres, já transei com muitas inclusive seis virgens, no próximo conto vou descrever as semelhança entre elas, o titulo será
COMO QUEBREI SEIS CABAÇOS

ABRAÇOS

 

Gostou? Vote no Conto:

25/08/2009 | 22941 visitas

 
 
 
sexo anal flagras porno