Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Simpatia para casar | Diversos | Acervo de Contos

Simpatia para casar

Simpatia para casar



Namorei por três anos e já estava noiva há um ano e meio, meu enxoval já estava pronto e eu experimentava meu vestido de noiva. Com tantas mulheres reunidas na costureira só se ouvia besteiras, as que eram casadas contavam como tinham sido maravilhosas as suas noite de núpcias e as solteiras deslumbravam-se imaginando seus futuros maridos as possuindo nas mais diferentes formas de amor.

Algumas historias eram bem cabeludas outras eram mais emoção, mais quando vovó chegou se fez silencio, a principio pelo respeito aos mais velhos e também por que vovô tinha falecido a uns seis meses atrás.

Vovó logo se queixou dizendo que escutava nossos gritos e risos lá da esquina e que se estivesse atrapalhando ela poderia ir embora, encabuladas logo tratamos de nos desculpar, mais vovó era esperta e aos seus oitenta e seis anos sabia poucas e boas e foi logo contando.

No meu tempo agente agarrava um homem para toda vida, casava logo não tinha essa coisa de ficar namorando e noivando todo esse tempo hoje em dia as mulheres escolhem muito mais não sabem o que fazer para prender seus homens e acaba os perdendo para as amantes.

Foi então que uma voz lá do fundo suou:

E a senhora fazia o que para prender seu homem?

Vovó balançou a cabeça numa negativa e deu a resposta com outra pergunta.

Por que seu marido tem uma amante? O que ela anda fazendo com ele certamente ele não deve ter em casa, pois se tivesse ele não seria louco de perder.

Pulinhos quase todos os homens dão mais manter uma amante, uma vida dupla só quando vocês se negam a dar o prazer que eles tanto querem. As amantes nunca se negam de agradar seus homens. A voz maliciosa continuou a provocar vovó.

A senhora já foi uma amante por acaso?

Todos se espantaram quando vovó disse que sim, mais ela logo completou dizendo que seu amante já era falecido, a seis longos meses. Vovó me olhou e disse que tudo que eu tinha escutado ali era bom mais que deveria ser praticado sempre caso o contrario uma amante poderia roubar meu marido.

Seu avô tinha uma linda casa, uma bela mulher e dois filhos maravilhosos, vivia aparentemente feliz mais sofria de uma carência sexual, tinha seus desejos reprimidos, sua esposa tinha certos pudores e não aceitava determinadas posições.

Foi em uma noite chuvosa, seu avô bebia um drink com um amigo aguardando a estiagem, eu havia me abrigado no telheiro do bar mais o vento forte não me deixava protegida da chuva. O barman bateu na vidraça e fez sinal para que as pessoas que se abrigavam em seu telheiro entrassem, sentada em um tamborete via pela vidraça a chuva cair e pelo seu reflexo o olhar malicioso dos freqüentadores do bar em minha pessoa, meu vestido molhado estava transparente e colado ao corpo revelava toda a minha silueta. Os homens fizeram fila uns apos o outro disfarçavam e se aproximavam com o pretexto de me pagar uma bebida, seu avô só me ofereceu seu paletó, virou-se e voltou para sua mesa sem dizer nada. O tempo deu uma leve estiada, fui à mesa de seu avô para devolver o paletó que ele se negou a receber, dizendo que era para eu lhe entregar no dia seguinte às 17h30min, voltei ao tamborete sem saber o que fazer quando vi seu avô passar pelo outro lado da vidraça. Sai apressada atrás dele que já embarcava em seu automóvel, chamei e acenei sem sucesso vendo as luzes do seu carro diminuírem com a distância.

Quando cheguei ao pensionato fui direto para o chuveiro, me sentia estranha em quanto me banhava, pois a água que percorria meu corpo produzia arrepios que me deixava levemente excitada por um desconhecido e quando me toquei percebi que estava úmida de desejo por aquele homem. Dormi com o cheiro do perfume do paletó do seu avô e na manhã seguinte decidi lavá-lo antes de entregar, ao vistoriar os bolsos encontrei uma foto de sua família, um maço de dinheiros e seu endereço, bordado na parte interna do seu paletó. Foi uma decepção saber que aquele gentil cavalheiro não estava disponível. Aguardei ate às 18h20min mais ele não apareceu, deixei o telefone do pensionato com o barman, no dia seguinte esperei ate às 18h e no terceiro dia fui ao seu endereço mais não tive coragem de acabar com a harmonia daquela família, pela cerca dava para velo brincando com os filhos em quanto sua mulher sorridente descascava os legumes para o jantar.

Nos encontramos depois de uma semana quando ele deu pela falta do dinheiro que era de investidores do banco onde ele trabalhava sua alegria com a minha honestidade em lhe devolver o dinheiro era tanta que me convidou para um jantar, recusei por que os portões do pensionato fechavam religiosamente as 21h e só reabriam as 6h, também por que ele era casado e sabia que não podia confiar em mim mesma, já que estava excitada por aquele homem.

Fiquei fantasiando mil maneiras de ter aquele homem só para mim e desabafando com uma amiga, ela me contou que havia uma rezadera na cidade que era muito antiga e que sabia simpatias e rituais infalíveis. Ignorei por três semanas mais seu avô não parava de me cortejar e eu já estava quase me entregando para ele quando decidi consultar a rezadera.

Era uma velha sombria que pediu para que eu afasta-se, para poder me ver melhor, deu duas pitadas no cachimbo e depois cuspiu e então falou:

Para o amor não tem solução ou agente gosta ou não gosta, mais você que é uma mulher formosa tem muitos atrativos para prender seu homem, basta deixar ele te conduzir e depois que ele se fartar vire uma leoa e o devore rancando todo o seu prazer. Se ele estiver saciado não vai comer fora, mais para que ele não perceba a sua intenção mostre que você tem prazer de beber o seu leite e sempre que ele se saciar, chupe-o ate ele transbordar na sua boca.

Depois que você conseguir fazer isso por trinta vezes seguidas sem que ele tenha tido outra alem de você, jamais ele terá outra dona.

E eu fui muito feliz casada com seu avô por 63 anos, depois de 2 anos como amante ele largou sua esposa para viver comigo.

Vovó mais como vão saber que já se passaram trinta vezes. Minha filha antes de querer prender seu casamento, prenda seu homem e seu casamento estará seguro.

Sou casada a 3 anos e meu marido ainda demonstra estar muito apaixonado por mim, embora ele diga as vezes que eu sou meia louca, mais ele não consegue me resiste quando faço carinha de safada olhando para seu pinto e dizendo que quero mama, ele já me deixou chupá-lo nos mais inusitados lugares, já fomos flagrados algumas vezes mais quem se constrange, sai de fininho e deixa eu terminar a minha chupetinha, mais também tem aqueles que sentem prazer de ficar só olhando e as vezes ainda a riscam uma punheta, que xingam, reclamam e ate chamam a policia e uns mais assanhadinhos que já me ofereceram ate seus cacetes para chupar.

Não sei dizer se vovó tinha razão, mais só sei dizer que eu não consigo mais dormir sem tomar o meu leitinho.

Rsrsrsrsrsrssssss

 

Gostou? Vote no Conto:

12145 visitas