Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Ô quarto quente! | Diversos | Acervo de Contos

Ô quarto quente!

Ô quarto quente!









O conto que passo a relatar é verídico, e aconteceu em outubro de 2013, na cidade paranaense de Bandeirantes.

Eu possuo um amigo de longa data, com o qual já compartilhei muitos momentos de felicidade e prazer. Costumeiramente, vamos atrás de mulheres com interesse de sexo sem compromisso, o que já rendeu várias histórias e lembranças. 

Por vezes fomos ao motel com duas mulheres, uma pra mim, e outra pra ele, e normalmente usávamos o mesmo quarto, dividíamos até a mesma cama. Chegamos a reproduzir várias cenas que víamos em filmes pornôs. Até houve ocasião em que trocávamos de parceiras, fizemos loucuras...era normal que a minha parceira chupasse meu pinto e em seguida beijava meu amigo de língua, e o mesmo ocorria entre a parceira dele e eu, não tínhamos problemas com isto.

Certa vez, meu amigo começou a namorar uma pessoa, uma mulher de cabeça bem aberta e livre pro sexo, e bem safada. Ele me contava algumas das transas entre eles, e só de ouvir, meu pau ficava duro, meu apetite sexual inflava! Passei a sugerir que ele perguntasse o que ela acharia de transar com mais outra pessoa, especificamente eu. Durante vários dias conversei sobre isso com ele, mas ele se mostrava com um certo ciúmes, acho que ele estava gostando dela.

Bom, certo dia, recebi uma ligação em que meu amigo me convidou pra ir em sua casa, pra vermos um filme. Cheguei em sua casa lá pelas 21:00. Lá, verifiquei que na garagem se encontrava o carro de sua namorada, o que eu achei estranho, pois ele não havia dito que ela estaria lá. Ambos foram me recepcionar na entrada da casa, e logo fomos pra sala. Iniciamos uma conversa sobre viagens, estudos, música...E não pude deixar de notar como ela estava linda. Ela trajava uma blusinha azul clara bem fina, fácil de notar que estava sem sutiã, e uma micro-saia branca, deixando suas coxas torneadas bem à mostra.

Em certo momento, meu amigo foi ao seu quarto, fechou a porta, ligou o ar-condicionado (estava um calor absurdo), e logo retornou à sala. Colocou o DVD para assistirmos, e passados 25 minutos do início do filme, sua namorada se retirou da sala, indo para o quarto dele, fechando a porta. Imediatamente, meu amigo disse que tinha uma surpresa pra mim. Passou a me dizer que conseguira convencê-la em transarmos a três! Puxa vida, fiquei extasiado, disse a ele que meu saco estava até doendo, pois já fazia um certo tempo que não transava com ninguém, e nem punheta eu estava batendo ultimamente.

Ele disse que ela adorou a ideia, que topou na mesma hora, concordou em fazer sexo irrestrito, da maneira que estávamos acostumados a fazer com as outras mulheres que havíamos transado. Não preciso nem dizer, mas vou, meu pinto começou a latejar, e a ansiedade cresceu de uma maneira imensa.

Meu amigo disse que não era pra gente demorar a entrar no quarto, que ela já estava esperando a gente. Imediatamente fomos pra lá, e ao abrir a porta, senti forte calor...meu amigo havia ligado o ar-condicionado no quente...estava parecendo uma sauna. O quarto estava todo escuro. De repente, a voz de sua namorada ecoou suavemente no quarto, dizendo: tirem a roupa, e me comam! Vixe...rapidamente tirei minha roupa, mas meu amigo foi mais rápido, deitando na cama, começou a beijar sua namorada, dava pra ouvir o barulho das línguas se beijando! Assim que tirei minha ultima peça de roupa, deitei na cama, procurei por alguma parte do corpo de Ingrid, mas notei que eles estavam por baixo de um edredom...imaginem, a temperatura ambiente estava na casa dos 32 graus naquela noite, quarto fechado com o ar-condicionado ligado no quente, e eles enrolados em um edredon!

Bom, eu já estava acostumado a compartilhar esquisitices sexuais com meu amigo, mas esta...Bom, fui pra debaixo do edredom, passei a mão na busca pelo corpo de Ingrid novamente, mas estava difícil saber quem era quem...pois eles ainda se beijavam igual loucos apaixonados! Resolvi grudar nos dois, e ligeiramente Ingrid ficou no meio de nós dois, passou a me beijar, me lambia o pescoço...meu amigo acariciava seus peitos, e seu pinto roçava a buceta dela, e num instante, também dirigi meu pinto até sua buceta, gerando uma briga de pica intensa, sem penetrá-la. O suor fazia com que nossos corpos se deslizassem...estava um clima de tesão totalmente animal entre nós três!  De repente, Ingrid retira o edredom e vai com suas mãos punhetar nossos pintos, esfregando cabeça com cabeça, que tesão! Ora lambia meu pinto, ora o do meu amigo, e tornava a encostar rola com rola...isso eu e meu amigo ainda não tínhamos experimentado.

Ingrid deitou por cima de mim (seus peitos no meu rosto), colocou meu pinto em sua buceta, e passou a cavalgar, que delícia...eu lambia seus peitos e ?tomava? todo seu suor. Nesse instante, ela gritou pelo pinto do meu amigo, que era pra eu comer o cu dela, enquanto ele chupava sua buceta. Que loucura...tomei o cuidado para que meu pinto não saísse repentinamente do cu da Ingrid em direção ao rosto do meu amigo. Caralho, como ela estava gemendo! Ela gritou novamente, pedindo que meu amigo enfiasse seu caralho (pequeno em extensão, mas grosso e muito cabeçuco) em sua buceta. Com as estocadas que ele dava, eu podia sentir suas bolas batendo nas minhas, e por vezes, seu pinto escorregava da buceta da Ingrid, estocando acidentalmente as minhas bolas, o que gerava certa dor, mas o tesão era tanto que eu nem ligava.

Ingrid virava o pescoço e beijava meu amigo de língua, e em seguida também me beijava, só de língua, sem encostar os lábios...caralho, que tesão!!! Estávamos os três unidos de tal maneira, que parecíamos um casal só. 

Caralho! Teve uma hora que meu pinto escapou do cu da Ingrid, e também bateu nas bolas do meu amigo, e o tesão foi tanto, que ele tirou seu pinto da buceta dela, e ficou roçando no meu pinto, cabeça com cabeça, saco com saco, bola com bola...tudo molhado no suor...que tesão da porra! Até Ingrid deu um empurrão no meu amigo, ficando de quatro, passou a chupar meu pinto, e meu amigo passou a chupar sua buceta...depois invertemos. A buceta dela tinha um mel maravilhoso, muito molhada, carunudinha...que delícia, fiquei ali chupando nada menos do que 20 minutos.

Ingrid era muito safada, era a mulher ideal pra nós dois, nem precisava de outra.

Chegou num instante em que meu saco doía muito, pela porra acumulada, e pelas estocadas dadas pelo pinto do meu amigo, sendo motivador pra eu anunciar que logo gozaria. O problema, é que meu amigo também disse que estava pra gozar. Aí veio outra novidade pra nós dois: Eu deitei na cama, Ingrid deitou em cima de mim, mas desta vez com suas costas virada para meu rosto, a segurei bem firme, meti meu pinto em sua buceta, e a beijei muito, e ela retribua com suculentos beijos de língua. Meu amigo veio por cima dela, procurando sua boca para enfiar seu pinto antes de gozar. Como o quarto estava escuro, não tinha como ver o outro, senão pelo toque...e repentinamente Ingrid vira o rosto, procura o pinto do meu amigo, e passa a chupá-lo, bem do lado do meu rosto. Eu podia sentir o cheiro do pinto do meu amigo...imaginem! e o suor escorria...o ar-condicionado ainda ligado no quente. 

Enquanto ela fazia uma super boquete pro meu amigo, eu juntei seus cabelos, e passei a lamber todo o seu pescoço, bem molhado de suor, aquele líquido salgadinho...que tesão! Ao mesmo tempo, meu amigo começou a gemer, e inesperadamente seu pinto escorrega da boca da Ingrid, e bate bem forte na ponta do meu nariz! Fiquei quieto, mas com certa raiva, pois sou hetero, me contive...Ingrid ligeiramente virou seu pescoço e passou a me beijar, e de repente, sinto novamente o cheiro do pinto do meu amigo bem próximo ao meu rosto e do da Ingrid. Uma mão passou a segurar minha nuca bem forte em direção à boca de Ingrid, até que sinto um líquido doce, azedinho, e melado...e além da língua da Ingrid, agora em minha boca também estava a cabeça em forma de cogumelo do meu amigo, entrando e saindo, misturando porra com nossas salivas...Pensei...ahhh! que se foda...se a Ingrid tá curtindo, se meu amigo tá curtindo, se eu estou curtindo...que se aproveite cada gota de porra...cada centímetro de língua e de rola!

Após eu e Ingrid -secarmos - toda a porra esparramada por toda a extensão do caralho do meu amigo, ela revelou que topava o sexo comigo, caso meu amigo conseguisse jorrar porra em minha boca...dizendo Ingrid que havia assistido uns filmes eróticos e pornôs com homens bissexuais, além de ter lido vários contos com conteúdos despertando essa fantasia. Meu amigo emendou dizendo que isso era praticamente impossível, pois sabia que sou hetero, e que isso, nem por acidente havíamos feito nas outras transas em que participamos juntos, mas que se estava feliz por eu ter aceitado numa boa. Respondi dizendo que isso eu topava, embora não havia pensado nisso antes, mas somente isso.

Bom, Ingrid falou que agora iria fazer eu gozar, que eu merecia...Respondi que minhas bolas estavam doendo muito, que eu iria praticamente urinar porra, de tão cheias que estavam. Meu amigo perguntou se eu queria o mesmo tratamento...e obviamente aceitei...seria a primeira vez que duas línguas lamberiam meu pinto ao mesmo tempo, mesmo não sendo a de duas mulheres, como sempre desejei.

Ainda com as luzes apagas, e com aquele calor imenso, ambos passaram a me lamber, um deles mordeu ferozmente uma de minhas bolas, momento em que não aguentei, e anunciei o meu gozo com um enorme grito de tesão...Ingrid e meu amigo lamberam toda a porra depositada em volta da cabeça do meu pinto,  do corpo do meu pinto, da porra que escorreu por entre minhas bolas e virilhas, e a que caiu por cima do meu umbigo. O tesão do momento fez com que meu amigo ficasse de pinto duro novamente, e em seguida, Ingrid ?apunhetou? o pinto do meu amigo roçando minhas bolas e meu pinto...e eu também não me contive...vendo a cena, e sentido o caralho do meu amigo, gozei em em sua cabeça...que caralho, que tesão...Ingrid fazia com que nossos pintos se metessem numa colossal ?briga de espadas?, até que meu amigo gozou em minha coxa...rapidamente senti a língua de Ingrid limpando gota por gota...

Como sou louco por seios molhados, ainda beijei e acariciei os de Ingrid por certo tempo ainda...depois fomos os três pra ducha.

Acreditem, isso aconteceu de verdade...O assunto da noite era só esse, e assim que saímos da ducha, fomos desligar o ar-condicionado, pois o calor estava quase insuportável...conversamos sobre novos encontros, inclusive sobre convidar uma outra mulher, ou seja, que fosse minha namorada pra participar desses encontros. E aconteceu...após três semana do ocorrido, Ingrid me apresentou uma mulher...e...no próximo conto falarei como foi o sexo a quatro!



Já ia esquecendo...não citei o nome do meu amigo nem o meu, e Ingrid é fictício...

Abraços

 

Gostou? Vote no Conto:

11963 visitas