Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

A empregada que tirou minha virgindade | Diversos | Acervo de Contos

A empregada que tirou minha virgindade

Em 1958 mudamos para Guaratinguetá no vale do Paraíba, meu na época trabalhava com TV e foi transferido de São Paulo para ajudar na implantação do sistema de UHF e levar televisão para toda aquela região. Papai alugou uma casa muito grande na beira do rio Paraíba. Eu  fiquei contente em conhecer novas pessoas e fazer amizades. Como a casa que morávamos era muito grande, minha mãe contratou uma empregada mulata muito linda e gostosa. Ela estava noiva . Eu estava morrendo de tesão por aquela mulher deliciosa, que tinha umas pernas e uma bunda de fazer inveja a qualquer uma e comecei a bolar uma maneira de tentar tirar um sarro com ela. Na verdade eu nunca tinha comido ninguém somente tirava um sarrinho com as namoradas e primas e me acabava de bater tanta punheta.

O tempo foi passando e sempre que tinha oportunidade, procurava conversar com ela e tentava ficar mais intimo, falando sobre namoradas,os sarros que tirava e da dificuldades que era numa cidade pequena achar com quem aliviar meu tesão. Ela sempre respondia que não acreditava que um rapaz tão bonito como eu poderia ter dificuldades de transar e conversa pra cá.conversa pra lá, eu sempre aproveitava qualquer oportunidade para dar uma roçadinha nela. Certa vez, ela estava lavando louças e eu com desculpa de pegar um copo para tomar um refrigerante encostei meu pau na sua bunda e ela fez de conta que não percebeu. Aquilo mexeu comigo e fui para meu quarto bater uma punheta pensando naquela bunda grande e gostosa. Quando sai do quarto ela já não estava mais na cozinha e tinha ido passar roupa num rancho que tínhamos no fundo da casa. Era sábado e eu estava só em casa com ela. No rancho, tinha uma rede e eu fui deitar lá e enquanto ela passava roupa eu ficava admirando aquela bunda e aquelas pernas, que ela de saia justa fazia questão de exibir. Começamos a conversar e o papo foi pro lado da sacanagem e eu fiquei de pau duro, ela percebeu e continuou a conversar, então ela perguntou: como eu me virava sem mulher e respondi que batia punheta olhando revistas de sacanagem e pensando nela. Ela quis ver as revistas que eu escondia num dos quartos de empregada que nunca era utilizado, levantei da rede e de pau duro a levei até o quarto e comecei a mostrar as revistas para ela e vendo uma mulher pelada eu perguntei se as suas pernas era tão lindas como as da foto, ela respondeu que sim e eu falei que queria ver,ela levantou o vestido até a altura de sua calcinha, olhando aquelas coxas gostosa, tirei o pau pra fora e sem falar nada coloquei no meio das suas pernas forçando na sua buceta por cima da calcinha. Ela cheia de tesão começou a rebolar no meu cassete e me falou que não era mais virgem que já tinha dado pro seu noivo. Pedi pra ela tirar as calcinhas e ela falou que estava ?naqueles dias? e que era pra gozar nas suas coxas. De pé e com as pernas tremendo, gozei lambuzando com minha porra sua calcinha. Continuamos a tirar um sarro de pé até que ela me bateu uma punheta e gozei novamente em suas mãos.

Uma semana depois, também num sábado fiquei sozinho em casa com ela, a tarde deitado no meu quarto e com muita tesão pedi para ela me trazer um suco. Minutos depois ela veio trazer o suco, eu já estava de pau duro e mostrando meu cassete pra ela perguntei se ela não queria dar um jeitinho nele. Ela sentou na cama do meu lado e começou a bater uma punheta, pedi para ela deitar comigo, ela deitou levantou a saia e colocou meu pau no meio das suas coxas, esfregando a cabeça do meu cassete no seu grelo por cima da calcinha. Ela perguntou se eu nunca tinha metido e quando falei que não, ela tirou sua calcinha e falou que ia me dar mas era pra não falar pra ninguém e nem gozar dentro. Pegou o meu pau e disse que ia dar uma molhadinha nele e chupou meu cassete me deixando alucinado. Tirou toda a sua roupa, mostrando aquele corpo fenomenal e sentou em cima de mim, fazendo com que meu pau entrasse até o saco naquela buceta maravilhosa. Com ela rebolando em cima do meu cassete ela pedia pra que eu não gozasse dentro dela e quando estava prestes a gozar eu falei que não dava pra segurar mais e iria gozar. Ela rapidamente saiu de cima de mim e caiu de boca no meu pau e gozei na sua boca como nunca tinha gozado na vida. Ficamos deitados um ao lado do outro na cama por alguns minutos, ela então levantou e foi no banheiro se lavar. Quando saiu do banheiro, voltou para o quarto só de calcinha e sentou na cama ao meu lado e com a cara de sacana perguntou o que eu tinha achado de comer uma buceta pela primeira vez. Falei que tinha sido uma delicia e que ela era um tesão, quando meu pau começou a dar sinais de vida novamente, escutamos meus pais chegarem e enquanto ele punha o carro na garagem nos recompusemos.

Ficamos um bom tempo sem podermos dar outra foda e sempre que possível eu tirava um sarrinho com ela. Num final de semana, meus pais foram para São Paulo e eu não quis ir e minha mãe dispensou ela do trabalho, fiquei puto da vida, pois já tinha feito planos de foder com ela na ausência deles. No domingo acordei cedo e como estava um calor danado, resolvi ir ao clube pegar uma piscina. Fiquei no clube até o final da tarde e quando voltei pra casa, qual foi minha surpresa, ela estava sentada no jardim me esperando. Ela me falou que seu noivo estava viajando a mais de uma semana e ela estava na saudades. Vestida com uma saia preta justa deixando a mostra aquele rabo gostoso já dentro de casa e ainda na sala, começamos a nos abraçar e beijando seu pescoço, levantei sua saia e tirando meu pau duro como uma pedra pra fora da bermuda, coloquei ele no meio das suas pernas, roçando na sua buceta por cima da calcinha branca que já estava molhada. Ela se ajoelhou e chupou meu pau como uma louca, dizendo que estava louca de tesão e queria me dar uma aula de como se fode. Já nus e deitados no tapete da sala ela me disse que hoje ela queria perder o cabaço de outro lugar, mas para que eu fizesse jus a esse premio eu teria que chupar sua buceta. Deitada no tapete e de pernas abertas, me mostrando sua buceta toda molhada pediu pra que eu chupasse seu grelo, meio sem jeito e até com um pouco de nojo me ajoelhei e comecei timidamente a beijar sua buceta e ela louca de tesão me orientava aonde queria que eu enfiasse minha língua. A essa altura eu já tinha perdido toda a timidez e chupei aquela buceta gostosa até que ela puxando minha cabeça gozou na minha boca. Eu de pau duro e morto de tesão, olhando aquela mulher gostosa deitada nua na minha frente, quase desfalecida, deitei em cima dela e enfiei meu cassete até o saco na sua buceta encharcada, ela começou a rebolar e quando eu estava prestes a gozar, ela me empurrou me tirando de cima dela e virou de bruços e falou que agora eu iria tirar o cabaço do seu cú. Ela empinou a bunda, com as mãos abriu as nádegas deixando a mostra seu lindo cuzinho, me ajoelhei sobre ela, molhei meu cassete na sua buceta toda encharcada de seu gozo e com cuidado coloquei a cabecinha na entrada do seu cú e comecei a forçar com ela gemendo de dor e tesão. Aos poucos meu pau foi entrando e com ela mais relaxada enfiei até o saco e comecei a bombar.eu nunca tinha comido um cuzinho e nem ela tinha dado seu rabo. Cheios de tesão com o pau cravado no seu cú ela gemia e ao mesmo tempo batia uma siririca, gozei como nunca dentro daquele rabo inundando com minha porra aquele cuzinho que nunca pensei que iria comer. Ficamos deitados, eu com o pau dentro do seu rabo quase desmaiados por um bom tempo. Após algum tempo meu cassete começou a dar sinais de vida e ela percebendo começou a rebolar e fodi seu cú novamente com ela gozando junto comigo. Fomos juntos tomar banho e ela me falou que tinha a maior tesão de dar o cú só que seu noivo achava aquilo um absurdo e ela brincando falou que ela tinha tirado minha virgindade quando me deu a buceta e agora eu tinha tirado a sua no seu cuzinho.

Ela trabalhou em casa por mais de um ano e sempre nós dávamos um jeitinho de tirar o atraso. Mesmo depois que casou continuamos a meter e sempre comia seu rabo, que ficou sendo uma exclusividade minha.

Esta história é verídica e até hoje mesmo casado bato uma punheta lembrando dela, afinal além de ser uma mulher muito gostosa, foi minha primeira foda de verdade.

 

Gostou? Vote no Conto:

42191 visitas