Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Sempre na Chácara | Cornos | Acervo de Contos

Sempre na Chácara

SEMPRE NA CHACARA

R.

Moramos no Mato Grosso, hoje no interior, mas tudo começou há vários anos, tínhamos uma chácara, onde sempre íamos aos finais de semana, pois sempre tinha serviço a ser feito. Quando fui construir minha casinha, já havia um pequeno barraco, onde pernoitávamos, e desta feita havia levado meu compadre CARLOS e a noite o mesmo dormiu em uma rede, ao lado de nossas cama (tarimba) e quando começamos a fazer sexo, minha mulher começou a me chupar, e foi deslizando na cama, até tocar com o pé em CARLOS, e logo em seguida o mesmo começou a passar a mão nas coxas dela e ela ia me contando, sussurrando no ouvido, até o momento em que toquei na boceta dela e senti a mão de CARLOS também, não agüentei puxei milha mulher e chamei o mesmo para vir para cama, mas acho que ficou assustado, fingiu não ouvir.



Depois de algum tempo contratamos uma família para trabalhar, onde haviam dois filhos, e em um final de semana, estávamos levando madeira e cana para plantar e dentro da camionete iam, além de mim ( chamarei de R) minha esposa (B) meu compadre CARLOS e o filho mais velho do caseiro. Que, no meio do caminho minha mulher pediu para urinar, todos descemos, ela ficou de um lado junto a mim, e os dois ficaram do outro lado, depois de ter mijado, pediu para eu enxugar, coisa que fiz com gosto, chupando sua boceta, deixando-a sequinha, após adentramos ao carro, sendo que minha mulher ia sentada junto a alavanca do cambio, e toda vez que eu cambiava, deixava a mão em sua boceta, tendo certeza de que so dois estavam sacando tudo. Quando chegamos na chácara, deixamos para descarregar no dia seguinte, fomos ao córrego banhar, e como havia lua, dava para ver nitidamente minha mulher nua, já que é loira.



Ao retornarmos para a casa, o filho do caseiro, foi para seu canto, e ficamos eu minha mulher e meu compadre em nossa casa, e depois de comermos alguma coisa, apanhei várias revistas pornográficas, e passamos a ler, até o momento em que minha mulher com o pé tocou o pau de CARLOS comentando comigo, e em seguida ela pegou meu pau, e antes de começar a chupar, fechei a porta, e apaguei a luz, momento em que ela de quatro começou a me chupar e dizia ?ai, amor ela ta chupando minha boceta, e depois de algum tempo, com a tesão a mil, puxei ela, fazendo ela sentar no meu colo, vindo a gozar com gosto, em seguida ela de quatro retornou até onde estava CARLOS e este passou a fode-la, dando para ouvir somente ela gritando, pedindo para meter mais e mais, ate gozarem, depois disso nada mais ocorreu.



Após vários anos, mudamos de cidade, e num certo dia estávamos e nossa propriedade rural, bebendo e chupando um ao outro, momento em que começamos a lembrar do ocorrido com o compadre, e começamos a pensar em quem poderia participar de nossas aventuras , lembrando de uma amiga que morava não muito próximo, resolvemos ir até a casa, onde sabíamos tinham um filho que poderia servir aos nossos propósitos, e lá chegando, passamos a conversar, e dissemos que tinha um amigo nosso que estava precisando de um rapaz para trabalhar e que no dia seguinte iria a nossa casa bem cedo, e que se o rapaz (filho mais velho que chamarei de HELIO) quisesse poderia ir trabalhar, e ficou acertado de que o mesmo iria para nossa casa naquele mesmo momento, pois quando amanhecesse já estaria a disposição do meu amigo.



Saindo da casa, fomos para minha casa, onde me preparei para fazer a janta, deixando minha mulher e HELIO, na varanda da casa, fui para cozinha que fica em um cômodo a parte, e deixando as panelas no fogão, fiquei sondando minha mulher agir, e via perfeitamente ela passar a mão na boceta, com as pernas abertas, e o rapaz com medo, ficava dizendo algo sobre mim, ate o momento em que saiu do local para ir me chamar, tiver de correr e chegar a cozinha antes dele.



Após a janta, o mesmo vendo nossa vontade de foder, disse que estava com sono, minha mulher colocou um colchão no chão, próximo a nossa cama, e ficamos na varando eu chupando sua boceta, e ela pedindo em voz alta para eu chupar mais ainda, do mesmo modo eu fazia quando ela chupava meu pau.



Quando fomos deitar, não havia energia elétrica, então após fechar a porta, minha mulher se esgueirou da cama, indo tocar no pau do rapaz, e passou a mexer no mesmo até que conseguiu tirar para fora da cueca, em seguida deslizou mais um pouco e passou a chupar, como não se via nada, ela pegou minha mão e levou até o pau de HELIO, tendo segurado o pau, vendo que estava duro, momento em que minha mulher levou minha cabeça até passar a fazer uma chupeta, e HELIO não demonstrava nenhum sinal, e minha mulher foi se ajeitando até que conseguiu fazer o pau entrar em sua boceta, momento em que passei a lamber a boceta e o pau, e senti que HELIO mexia levemente o quadril, para logo em seguida gozar, após minha mulher e eu voltamos para cama onde eu chupei por longos minutos sua boceta até deixá-la limpinha, e fudemos gostoso, de manhã cedo chupei novamente a boceta e demos mais uma foda.



Passados algum tempo HELIO casou-se, mas nossas vontade de continuar era grande, até que um dia em uma lanchonete, ajudávamos aos donos, e HELIO estava com a família, mas antes do final da noite, mandou que sua mulher e filha fossem embora, aproveitando uma carona, e em certo momento minha mulher chegou em mim e disse ?amor o Helio quer me comer, fica olhando escondido ele tentar passar a mão em mim? e como o local e afastado da cidade, em meio a algumas arvores, local escuro, minha mulher sentou ?se em uma mesa junto com HELIO, e notava-se que ele, mesmo aparentando estar embriagado, tentava por baixo da mesa pegar nas pernas de minha mulher, ate que esta veio a mim, pedindo para arranjar alguma coisa forte para acalmar a bebedeira, e foi sentar-se em meio as arvores, em uma mesa mais distante, quando La cheguei somente conversavam, e minha mulher falou alguma coisa para HELIO em seguida pediu para mim tirar o pau para fora, assim que o fiz ela fez uma chupeta, em seguida meio abaixada, levou a mão ao short de HELIO tirando o pau dele para fora e fazendo uma chupeta no mesmo, em seguida disse para mim pega o carro, vamos pra casa.



Ao entrarmos no carro, longe do pessoal, fui ao volante, HELIO sentou-se no banco ao lado e minha mulher, sentou-se no colo co mesmo, e ao chegar em casa, os dois foram abraçados ao banheiro, onde passaram a tomar banho, em seguida eu também banhei, sempre me punhetando em seguida ao sair do banheiro, cheguei no quarto minha mulher estava deitado com HELIO fudendo-a, mandei que ela ficasse de quatro, entrei por baixo ficando vendo o pau entrar e sair, em seguida não agüentando passei a lamber a boceta, até que ela tirou o pau de dentro, fazendo eu chupar, e no momento em que HELIO ia gozar, gritava para eu sair de baixo, quando minha mulher disse para ele, goza filho da puta, é isso o que ele quer, e realmente gozou, chupei toda as boceta de minha mulher, em seguida meti nela até gozar.



Decorridos alguns dias, estávamos em outra propriedade nossa, quando lá chegou HELIO e seu pai, e ficaram bebendo com a gente, e minha mulher me chamou a um canto dizendo que queria fuder mais uma vez com HELIO, e nisso sentou-se perto dele e com o pé na cadeira passou a cutucá-lo, e o mesmo entendendo, ficava alisando disfarçadamente o pé de minha mulher, e no momento em que saia com o pai, perguntou se poderia voltar para acabar com o resto da garrafa., fiz que sim e logo depois de menos de meia hora retornou, e assim que chegou, minha mulher ouviu sua voz, estando ela deitada, o chamou e ao adentrar, encontrou-a nua, já foi chegando, chupando o peito e tocando na boceta, tendo ela perguntado se ele não queria tomar um banho, e assim que voltou, ela me chamou e segurou os dois paus para chupar no mesmo instante, quando então HELIO disse ? meu pau e menor? e sentimos que Dera uma brochada, mesmo assim subimos na cama os três e novamente minha mulher ficou de quatro, eu chupando sua boceta e HELIO fudendo- a por traz, ate´que o mesmo gozou, sendo que desta feita ainda chupei-lhe o pau, e em momento algum gritou para eu sair de baixo.



Esperamos uma próxima vez, pois ele já sabe que haverá, so dependo dele, e acho que da próxima vez será a melhor, pois já sabe que gosto de chupar a boceta de minha mulher com o pau dentro e com porra.

 

Gostou? Vote no Conto:

35787 visitas