Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Mulher do meu cunhado em um dia de fúria | Cornos | Acervo de Contos

Mulher do meu cunhado em um dia de fúria

Ola, meu nome e Carlos (fictício) sou tarado por sexo, quando pequeno queria ser o cara que pegava todas as meninas do momento, mas por razoes sociais e complexos de inferioridade etc. não fui o cara, pegava apenas mulheres mais velhas do eu, era bom pelo menos eu pegava. Mudei de cidade fui mora na casa de irmãos tentando mudar de vida, mas não foi fácil, era muita cobrança, e como é mais fácil você trata bem uma pessoa que não e parente do que um da família. Com isso, fui mudando de casa, de parente ate conhecer minha mulher, logo fui morar com ela. Mas por vários motivos eu não pratico muito sexo com minha mulher, um deles e uma doença que tira o apetite por sexo e a deixa bastante estressada.



Quando fui morar com minha mulher ela já dividia a casa de seu pai com três irmãs, e tinha um irmão que morava perto, ele era casado com uma bela mulher de uns 32 anos da minha idade, que desde o primeiro dia sentir um tesão por ela, mas sabia que não era pro meu bico, e que eu deveria me comporta e respeita minhas cunhadas e ela. Trabalhávamos na mesma empresa, foi lá que conhece minha mulher, tinha quase certeza que minha concunhada tinha um caso na empresa, isso me deixava com ciúmes, ela agia como que quisesse que a minha mulher soubesse, eu sem saber que ela já havia pego meu cunhado com a irmã dela na cama, ela todo dia conversava na linha de montagem e no estacionamento da empresa com o mesmo cara. Na festa de final do ano sempre dançávamos juntos, então aproveitava para sentir o corpo dela no meu que com toda certeza ela sentia o volume do meu pau duro, sempre saiamos juntos para dividimos o táxi, minha mulher não gostava da festa então na ia, na ultima festa decidir dar em cima dela, ela sempre dizendo não, mas como uma amiga me disse certa vez, quem bebe faz besteira. No meio do caminho resolvi intensificar o ataque, como a empresa era perto de nossas casas quase que meu cunhado me pega, ele esperava por ela na esquina de nossa rua, fiquei com medo dele ter visto algo, o tempo passou e ele não falou nada, com isso resolvi tira ela dos meus pensamentos que foi muito difícil, chegava a me masturba pensando nela, foi difícil, mas consegui, resolvi respeita o meu cunhado, pois ele era um cara legal, mesmo que ele não possa fazer, ele fala; deixa comigo, quanto e que falta, pega lá que eu pago, etc.



Certo domingo ele convidou uns amigo do trabalho para almoça em sua casa, como ele e exagerado comprou pernil, bisteca bovina, frango e bebida, só que não foi ninguém, sem saber do acontecido, fui lá perguntar algo e o encontre muito p da vida com os amigos e me convidou para bebe com ele, ele estava tomando e assando a comida e ela ajudava na cozinha, pois ele gosta de cozinhar, ela também estava bebendo. Sou de beber pouco então procurava controla a bebida, mais tarde ele convidou uns parente da mulher dele que moravam no lugar, é uma vila onde mora os parentes dela, são quatro irmãs e o pai dela, as casa ficam na estrema do terreno formando um (C) com o pátio no meio e eles morram quase no final, lá pelas quatro horas ele saio para joga bola, ficando eu, o irmão dela, a madrasta dela e ela bebendo, os filhos aviam saídos com os amigos e primos.



Eu ainda não havia ido ao banheiro, me levantei para ir quando sentir a bebida fazer o efeito, a cabeça começou a roda, o estômago começou a reboliça deu ânsia de vomito, fui rápido para o banheiro, chegando lá não agüentei e vomitei na pia do banheiro entupindo-a, metia a mão para desentupi a pia e conseguir, com a minha demora ela feio ver o que estava acontecendo, foi quando pra minha surpresa ela trancou a porta e perguntou o que estava acontecendo, sem deixa eu terminasse de conta, foi me beijando e falando, se não era aquilo que eu sempre quis, nesse momento esquece de esquece-la perdi a noção do perigo, passou um filme na minha cabeça em questão de segundos, o mundo lá fora foi apagado da minha mente só conseguia ver nos dois dentro do banheiro, ela beijava minha boca ofegando de tesão, nesse momento o meu pau já estava duro que nem pedra e ela percebendo passava a mão eu só avia visto uma mulher daquele jeito, isso pode ser outra historia para dia, ela foi abrindo minha bermuda e metendo a mão dente, no mesmo instante que me beijava ela batia uma punheta para mim e repetia não era isso que vc queria, eu nesse momento estava anestesiado sem ação para pedi para parar, eu me perguntava o que e isso, isso não pode acontecer mas esta gostoso, quem eu sempre desejava pelo menos rouba um beijo naquele momento me roubava vários beijos e ainda enchia a mão no meu pau, eu sou de goza rápido, questão de 5 a 10 minutos ou menos mas naquele momento eu estava com o pau envernizado, talvez pelo susto, achando que seria só aquilo quando de novo ela me surpreendeu e baixo-se me fazendo um boquete, aquilo parecia um sonho eu olhava mas não acreditava no que via, aquela mulher gostosa com a boca toda lambuzada e com meu pau enfeado em sua boca, ela mamava como se fosse um barra de chocolate ou um picolé derretendo e se esforçava para fazer o melhor, me olhando como num ataque de fúria parecia querer arrancar o meu cacete, sem pensa no perigo que eu estava correndo naquele momento e no risco de pegar alguma doença, pois no momento eu não tinha nem uma camisinha e não tinha como pega, peguei-a pelos cabelo e levantei-a, eu estava bem bacana que não lembro qual peça de roupa que ela usava, sei que eu tirei, e a virei de costa para mim, onde pude ver o seu traseiro e sua xana que implorava pelo meu pau, em outra ocasião já teria gozado, mas esperava para prova aquela xana gostosa, não pensei duas vezes e fui enfiando cacete a dentro, onde não teve muita resistência pois já estava molhada de tanto tesão, comecei o movimento de vai e vem, ela se torcia, rebolava como uma cadela no cio, foi quando avistei aquele cuzinho, dei mais algumas estocadas enquanto isso lubrificava o seu cuzinho e passava o dedo forçando fazendo com ela delirasse mais, então pensei ela vai aceita que eu penetre-a, foi quando resolvi penetra-la, não podia perde tempo retirei de sua xana e passei a esfrega o seu cuzinho, ela até que gostou, mas quando forcei ela deu um grito, dizendo que ali não, não entendi na, mas não continuei. Com o grito dela despertou a curiosidade dos jovens, que haviam chegado, bateram na porta e perguntaram o que estava acontecendo, foi quando paramos e nos recompomos, ela sai na frente explicando que eu estava provocando e que ela estava me ajudando, neste exato momento minha filha chega e diz que sua mãe havia falado para que eu levasse um pedaço do pernil, sai do banheiro ainda embriagado passando a mão em um pedaço do pernil que estava na mesa, sem saber que estava levando só gordura.



Dias depois encontrei minha concunhada, muitas coisas ela não lembrava, tentei marca outra transa, ela até que aceitou, mas dias depois aparece grávida, seu filho casula, eu acredito que não seja meu, ela saia a noite sem o marido, no dia em que eu falei com ela, ele tinha ido a jogo de futebol e ela iria a um chá de bebe, eu a levei, ainda consegui alguns beijos, falamos sobre a próxima vez e só, ela parecia que iria arma com alguém, estava muito desconfiada.



Esse e meu conto, foi um sonho interrompido, algo que até hoje me pego sonhando acordado, não sei se terei outro, mas esse já valeu, se você tem algo parecido e queira traca informação me escreva.

 

Gostou? Vote no Conto:

64591 visitas