Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Minha primeira vez. | Cornos | Acervo de Contos

Minha primeira vez.

Estou no meu segundo casamento, sou mãe de três filhos de 24, 19 e 14 anos, que vivem com o pai por consequência da minha separação que foi muito tumultuada. Há oito anos vivo com meu atual marido que tem a mesma idade que eu. Desde o início do nosso relacionamento ele nunca escondeu a fantasia de me ver transando com outro homem. Eu trabalhava em um hotel e um dia, logo no início do nosso relacionamento, eu contei a ele que um hospede do hotel me chamou em seu quarto e depois de solicitar o que queria me fez muitos elogios dizendo que eu era bonita e muito sensual. Quando contei isso para meu marido ele me perguntou como era o rapaz e como eu me senti na hora. Não menti, falei que o rapaz tinha na faixa de uns 40 anos e praticamente morava no hotel, já que morava no interior e trabalhava na nossa cidade, indo embora aos finais de semana e retornava na outra semana. Falei ainda que ele era muito bonito e eu balançava as pernas quando chegava perto dele. Vi os olhos de o meu marido brilharem com a possibilidade de ser corno. Naquele dia tranamos muito gostoso impulsionado pela fantasia de ser corno.

Depois de alguns dias, entrei no quarto deste hospede durante o meu serviço e achei um álbum de fotos dele transando, tinham mais de 20 fotos dele e uma mulher e muitas fotos só do órgão genital dele, fiquei maravilhada e muito excitada e não me contive e me masturbei ali mesmo no quarto dele, e quando cheguei  em casa falei pro meu marido o que tinha visto, mas não falei que havia me masturbado.  Depois de alguns dias, novamente este hospede me chamou no quarto dele e disse que estava tendo muitas despesas com lavanderia e me perguntou se eu não gostaria de ganhar uns trocados para lavar suas roupas do dia a dia e ele só mandaria as roupas de serviço para lavanderia, e eu aceitei, e comecei a lavar suas roupas na minha casa. Logo meu marido teve uma ideia, dentre as cuecas do hospede, eu mandaria uma calcinha minha bem sensual, e isso soaria como um engano. Assim eu fiz, e deixei suas roupas em cima da cama e no meio tinha uma calcinha minha. No dia seguinte quando cheguei no hotel por volta de 08:00 horas recebi uma informação da recepção que o hospede havia solicitado que eu fosse até o quarto dele assim que eu chegasse, neste momento minhas pernas balançaram e mesmo antes de colocar o meu uniforme, fui até lá. Quando cheguei na porta ele pediu para que eu entrasse, e estava no meio do quarto enrolado em uma toalha e com minha calcinha na mão, e perguntou se era minha, eu sem jeito e muito envergonhada confirmei. Neste momento tive vontade de matar meu marido. Sem consegui esconder a minha vergonha quis sair do quarto, aí então ele me segurou pelo braço e pediu para que eu ficasse calma, e bem suavemente passou as mãos nos meus cabelos e parou na minha nuca, e falou bem baixinho no meu ouvido, ?Veste pra mim ver? .  Fiquei estática sem saber o que fazer aí ele pegou minha mão e colocou no seu pênis e eu segurei com força enquanto ele beijava meu pescoço e mordiscava meus seios por cima da blusa, eu não me contive e comecei a gemer de tesão, e punhetar aquele cacete enorme que logo estava na minha boca e eu chupei  com vontade até ele esporrar na minha boca e no meu rosto, fiquei desorientada e saí  correndo depois de limpar na toalha que ele estava usando. Fui até o vestiário para colocar meu uniforme, mas não consegui. Aleguei que não estava passando bem e fui pra casa.

Quando cheguei em casa eu não me aguentava de tanto tesão lembrando daquela cena, aí então fui para o banheiro e com um frasco de desodorante me masturbei um monte de vez.  A noite quando meu marido chegou do trabalho eu estava esgotada e não tive coragem de falar pra ele o que aconteceu, mesmo porque eu nunca havia deixado ele gozar na minha boca. Mas ele percebeu que eu não estava normal e começou me abraçar e beijar e com muito carinho me perguntava o que havia acontecido, e eu acabei falando tudo, inclusive das tantas vezes que me masturbei por isso. Enquanto eu estava contando o que havia acontecido, percebi  o tesão em seus olhos acompanhado da indignação por eu não ter permitido que aquele cassete enorme me fodesse, e me fez prometer que no dia seguinte eu agiria com naturalidade e cederia ao seus desejos que também eram meus.

Quando cheguei para trabalhar no dia seguinte, eu estava pronta para sentir cada centímetro daquela rola gostosa na minha buceta, meu plano era foder o dia inteiro e depois eu pedia as contas. Quando fui até o quarto do hospede  fiquei frustrada quando vi que ele já havia saído para trabalhar. Eu estava tão decidida que tomei a iniciativa de ligar pra ele, e sob a alegação de pedir desculpas. Liguei, e quando ele atendeu eu não sabia ao certo o que falar, mas disse a ele que eu queria muito ter me controlado, mas o medo foi maior e por isso sai correndo, logo que ele ouviu que eu estava querendo ele pediu para que eu o aguardasse no quarto que ele estava voltando no  hotel, e aí então eu tirei a calcinha que eu estava usando e vesti a calcinha que ele falou que queria me ver usando, e coloquei o uniforme por cima. Quando ele chegou eu fiquei estática e ele começou me beijar, e tirar minha blusa e chupar meus seios, eu gozei só de sentir sua boca nos meus seios, e não demorou muito e eu já estava com aquela rola enorme na boca e sem falar nada ele foi tirando minha roupa até que fiquei só de calcinha, aí ele puxou a minha calcinha de lado e chupou minha boceta lisinha, sem nenhum pelo que meu marido havia depilado, e enquanto chupava minha boceta ele fazia caricias no meu ânus que eu com 34 anos na época, nunca havia deixado ninguém comer, mas ele com carinho foi vencendo meu medo e logo estava enfiando o dedão meu cú, eu gozei novamente muito gostoso, mas eu queria sentir aquele cassete latejante na minha boceta e pedi pra ele enfiar e quanto comecei sentir a rola entrando me transformei  e pedi pra ele que eu queria que meu marido ouvisse eu gemendo, pois era vontade dele tudo aquilo que estava acontecendo, aí então eu liguei para o meu marido que ficou do outro lado da linha ouvindo meus gemidos de tesão. Depois de gozar inúmeras vezes, fiquei de quatro e deixei ele preparar meu cuzinho virgem passando um creme, eu quase sem conseguir falar pedi para meu marido deixar ele comer meu cú, pois eu nunca tinha deixado  o meu marido comer, e não seria justo eu dar meu cuzinho sem sua autorização, e sem hesitar ele pediu para eu esperar um pouco que ele estava indo para o banheiro e eu fiquei de quatro com aquela enorme cabeça  de rola na portinha do meu cuzinho só esperando meu marido autorizar, quando ele já estava no banheiro pediu para falar com o hospede e eu passei o telefone, aí então meu marido disse a ele pra enfiar com muito carinho mas socar tudo, aí então senti o aquele enorme cassete me invadir e rasgar minhas preguinhas, eu abracei um e mordi o travesseiro de tanta dor, mas resisti  e logo comecei a gozar tanto que descia pelas minhas pernas. 

Dei por três horas seguidas, tomava banho e voltava, usamos onze caminhas, meu recorde até hoje. Fiquei exausta e com a boceta totalmente inchada e o meu cú parecida uma flor.

Saí do quarto por volta de 12h20min horas e fui direto pra administração do hotel e pedi minha demissão.

Hoje não trabalho mais em hotel e não saio com outros homens habitualmente, só quando viajo. Viajamos duas vezes por ano de férias e nos hospedamos em hotel e na minha bagagem eu levo a minha calcinha da sorte e também meu uniforme,  e logo no primeiro dia quando chegamos no hotel eu escolho com aval do meu marido um dos funcionários e começo me insinuar. Nunca falhou, eu dou até não conseguir colocar calcinha e meu marido se derrete de bater punheta antes durante e depois vendo nossas fotos,

Espero que tenham gostado.

Beijos.

Moska.

 

Gostou? Vote no Conto:

121893 visitas