Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Meu Garanhão. Parte II | Cornos | Acervo de Contos

Meu Garanhão. Parte II

MEU GARANHÃO. Segunda parte.



Bem vocês se lembram não é? Então aquele dia fiquei toda excitada, quando íamos descendo para o almoçarmos na nossa casa falei pro meu marido.

Vamos tomar banho juntos, quero fuder com você.

- Nossa o que deu em você? Ficou com tesão de ver os animais cruzarem? Se ficar assim toda vez que cruzarmos os animais eu estou feito, vamos meter muito.

Chegamos e quando entramos fui direta ao banheiro e tirei minha roupa abri o chuveiro e deixei cair a água gostos no corpo, aí chegou meu marido já nu e de pau duro. Ajoelhei-me na sua frente e dei a maior mamada no pau dele desde que éramos namorados, ele não agüentou e me encheu a boca de porra e eu engoli todinha pela primeira vez. Ele me posicionou de quatro e me comeu gostoso. Terminamos o banho e fomos almoçar. Ele voltou para o trabalho e fiquei só em casa. Não me saía da cabeça o cacete do meu garanhão e tesão que me deu quando encostei a boca naquela cabeçona.

Arrumei a casa e fui andar pela propriedade, há esqueci de dizer que entre as coisas que trouxemos de São Bernardo estava o Fox, nosso pastor alemão de três anos, estávamos passeando eu e o Fox mas eu estava pensando numa maneira de pegar aquele cacete do garanhão de novo na mão. Pensei. Hoje La pelas sete jantamos e vou dar outro show de boca no cacete do meu marido, vou deixá-lo bem cansado, depois dou um cha com um calmante que tenho e ele vai dormir e eu vou visitar meu amante animal.

Assim falei e assim fiz. Tinha feito uma coisa pro meu marido na cama que nunca tinha feito, ele estava deitado de costa com as pernas sobre meu ombro e eu mamando seu cacete, ergui ele um pouco pra mamar seu saco e ele levantou as pernas e se arreganhou todo, eu então passei minha língua molhada no cu dele, ele foi a loucura e me apertou a cabeça contra seu cu, vi que ele tinha gostado então brinquei bastante com a língua no cu dele e ele começou gemer e exporrou na minha cabeça e pôs as mão debaixo da bunda e se levantou todinho pra ser comido por minha língua, gemia e falava baixinho, me come amor me come. Eu ouvindo isso fiquei mais doida ainda. Quando terminamos fui tomar outro banho, enquanto ele tomava seu banho fiz o cha e pus o calmante. Meia hora depois ele roncava como um louco.

Levantei, fechei a porta da cozinha e fechei o Fox na varanda e fui ver meu garanhão. Tinha tira minha calcinha para não ficar grudando quando eu me molhasse. Quando entrei nas baias estava um silencio e uma penumbra, pois os animais têm que ter toda a tranqüilidade, mas assim que entrei houve um barulho feito por eles como a acusar a entrada de estranho. Fui direta para a baia do garanhão na passagem peguei o banquinho e as traias, e fui falando com ele, entrei na baia e comecei alisá-lo conversando e alisando, não precisei de muito tempo para estar sentada no banquinho e alisando o chumaço de pelos. De repente ele me deu aquele enorme cacete, comecei lavar e a punhetar da cabeça até La em cima no chumaço, ele estava gostando por que o cacete tava duro e a cabeçona quente pulsando, comecei beijar e tentar colocá-la em minha boca, mas é enorme e me dói o maxilar , consegui segura-la na boca e continuei punhetando agora com a mão cheia de xampu de cavalo, daria tudo naquela hora pra ter aquele cacete nas cochas, esfregando na minha buceta , sem eu esperar recebi um jato de porra quente na garganta, quase afoguei, cuspi, peguei tudo e saí correndo dali, eu quero dar para esse cavalo, nem que for só a cabeça esporrando na minha buceta eu quero, e vou conseguir. Cheguei no terraço e o Fox veio me receber abanando o rabo, sentei no degrau da porta para acalmar um pouco antes de entrar em casa, o Fox deitou nos meus pés e pôs sua cabeça no meu colo, comecei sentir a respiração quente dele na minhas cochas sem calcinha e o fogo voltou, levantei a saia e pus a cabeça do cão bem em frente a minha buceta, ele deu uma lambida que quase me desmaia, fui abrindo as cochas e deitei pra trás toda arreganhada, sua língua passava pelo meu cu e entrava uns três dedos na minha buceta. Eu ia a loucura, gemia e me arreganhava. Aí tive uma idéia levantei e fui buscar o pote de mel no armário, o cão me acompanhou e na volta lambia minha bunda. Sentei de novo no degrau destampei o pote e enfiei o dedo no mel e na minha buceta, o Fox foi buscar o mel Le no fundo e eu gozei na língua dele, agora eram mais de dez centímetro de língua na minha buceta que parecia pegar fogo, eu agora estava deitada com as pernas pro alto e já tinha gozado uma porção de vezes, queria levantar e correr tomar um banho mas não era capaz de deixar aquela satisfação que estava sentindo. Dei um pulo, acaricie as costas do Fox entrei fechei a porta e fui tomar um banho e dormir perto do meu marido.

Depois conto mais sobre minha felicidade no Haras.

 

Gostou? Vote no Conto:

19805 visitas