Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Gabrielle putinha na praia. | Cornos | Acervo de Contos

Gabrielle putinha na praia.

Num dia de domingo eu e milha mulher Gabrielle fomos almoçar na praia. Gabrielle, é bronzeada, tem cabelos negros, e seois fartos, muito gostosa e bem malhada, fora o lindo sorriso.

Em fim, chegamos ao restaurante, Gabi usava uma camiseta amarela, sem sutien, e um short bem curtinho, o que mostrava bem suas coxas bem bronzeadas.

Chegamos e sentamos. Enquanto fazia nosso pedido ao garçom notei uns olhares discretos de Gabi seguidos de umas risadinhas para trás de min, me fiz de desentendido, mas quando tive a oportunidade olhei disfarçadamente, tinha um cara malhado, bem alto e moreno encarando ela. Não disse nada.

Enquanto esperávamos notei que Gabrielle estava com uma cara bem safada. Passei a mão na coxa dela e perguntei o que foi. Ela disse que não era nada.

Tudo bem.

Pouco tempo depois ela disse que precisava ir ao banheiro e voltava já. Enquanto andava percebi que ela estava muito desconfiada, olhando para os lados, e inclusive para min.

Perdi-a de vista.

Passado um bom tempo e nada dela voltar comecei a pensar o que estaria acontecendo e decide procurá-la. Fui à porta do banheiro feminino e perguntei a uma moça que acabará de sair se havia mais alguém lá dentro, ela me respondeu que não. Fiquei nervoso, onde ela poderia estar?

Foi quando me lembrei daquele rapaz que a estava encarando.

Será?

Comecei a vasculhar o lugar, não a encontrei por nenhuma parte, o único lugar que restava era uma parte mais reservada do local, uma área cuja boa parte era coberta por dunas.

Fui de mansinho.

Cada passo que me aproximava podia escutar melhor uma respiração ofegante como de alguém que está cansado.

Meu coração palpitava mais forte a cada respiração.

Fui por traz de uma grande duna de areia que lá havia, e , quando olhei quase meu coração 'sai pela boca". A sensação foi uma mistura de prazer com raiva, mais ainda sim algo muito excitante de se ver.

Gabrielle estava deitada na areia já sem roupa, só com uma calcinha vermelha que a deixava super gostosa, era aquele mesmo cara de antes. Estava sem camisa, só de calção, por cima dela lambendo-a da cabeça aos pés. A gostosa se contorcia enquanto ele acariciava com uma das mãos sua bucetinha, que é uma verdadeira delícia.

Parece que eu havia chegado atrasado porque não demorou para ele puxar a calcinha de Gabi e começar a lamber o que faltava. Os gemidos tornaram-se mais fortes.

Aquele cara sabia como fazer.

Gabrielle não aquentando mais empurrou a cabeça dele e pediu para ele levantar, logo ela desceu seu calção e começou a chupar seu pau. Nisso ela é muito boa.

Começava pelos ovos do cara e ia subindo até a cabeça do pau, depois voltava e fazia tudo de novo. Deu pra notar que ele quase goza, mas os dois pararam pouco antes. Ele deu a mão para Gabrielle e a levantou, eles começaram a se beijar ali mesmo em pé enquanto se acariciavam, foi quando ele a virou de costas e, enquanto beijava sua nuca, acariciava seus seios. A safada sorria enquanto ele tocava todo seu corpo, pernas, barriga, braços, seios, tudo. Não demorou para ele começar a roçar o pau na bundinha de Gabi, que por sinal é bem empinadinha. Dava pra ver o prazer que Gabi estava sentindo.

Aquele sorriso me dizia tudo.

Chega de preliminares, ele levemente a colocou de quatro na areia a segurou pelos seios e começou a meter na bucetinha de Gabrielle, a gostosa sorria e gemia bem baixinho enquanto ele se fartava com seu corpo, metia bem devagar, sem pressa, desfrutando cada metida.

Passado um tempo nisso, ele retirou o pau de Gabi, e a virou. Os dois tornaram a ficar frente a frente, deram uns beijos de língua enquanto se acariciavam mais.

Era incrível, aquela sensação era muito excitante, estava de pau duro só de olhar aquilo.

O cara parou de beijá-la, se encostou à areia, abril as pernas e pediu para ela sentar. Nossa Gabrielle fechou as pernas e encaixou no pau do cara que apontava pra ela. Começaram devagar, com movimentos leves, ele acariciava os seios de Gabrielle enquanto ela mostrava aquele sorriso safado que enlouquece qualquer homem. Começou a aumentar o ritmo, Gabrielle, apoiada nas coxas do rapaz quando passou a sentar com cada vez mais vontade.

Olhado aquilo quase que gozei ali mesmo. Ela se encostou ao peito dele e os dois passaram a se esfregar enquanto fudiam, os movimentos ficaram cada vez mais lentos, os dois gozaram.

Gabrielle levantou e deitou por cima dele logo em seguida os dois passaram um tempinho se acariciando, desfrutando do que acabaram de fazer.

Quando eles levantaram para se vestir eu rapidamente voltei à mesa e lá esperei ela voltar.

Logo ela chegou, na maior cara-de-pau, perguntou se a comida ainda não havia chegado. Respondi que não e perguntei por que a demora. Ela disse que estava super apertada e logo puxou outro assunto.

Na mencionei nada sobre o que acabei de ver.

Comemos, e voltamos para casa. Não vi mais aquele cara durante todo o tempo em que estávamos lá.

Quando chegamos puxei Gabrielle pelo braço e a beijei tão forte que meu pau logo ficou duro.

Enquanto lembrava aquelas cenas, de Gabi sendo fudida por outro, tirei toda sua roupa e a comi como poucas vezes, as cenas que vi serviram para me excitar ainda mais.

Nunca mencionei nada com Gabrielle, mas sempre que lembro bate um tesão e logo a puxo para fuder, e ela nunca nega.

 

Gostou? Vote no Conto:

36967 visitas