Acervo de Contos

Escreva o seu conto

Escreva o seu próprio conto erótico e envie para o seu publico alvo.

envie-seu-conto

Assine nosso feeds

e receba os últimos contos eroticos do site

 
Recomende o site

Camera oculta | Cornos | Acervo de Contos

Camera oculta

Quando o casamento entra na rotina não é difícil de perceber que esta rolando uma traição. Sempre cansada ou com dor de cabeça ela nunca esta com vontade de namorar e quando o fazia era sempre tão evasiva que o prazer começava a se tornar desprezível. Fui deixando de lhe procurar e com o tempo parecíamos dois irmãos dentro de casa mas, se eu estava em pleno vigor sexual ficava difícil de acreditar que ela também não senti-se mas desejos íntimos.

Comecei a ficar horas e horas na internet assistindo a vídeos eróticos de mulheres nuas e depois só me restava ir para o banheiro me masturbar. Ela já tinha me visto algumas vezes assistindo esse tipo de conteúdo e ainda assim se recusava a participar ou a me servir sexualmente, não havia um carinho, gentileza ou delicadeza que eu fizesse para quebra o gelo daquela mulher, ate que me veio a idéia de lhe espiar no dia a dia para saber se realmente teria como eu reverter essa situação que começava a se tornar insustentável.

Comprei quatro micro câmeras e instalei cada uma em um cômodo onde eu achava que ela passaria a maior parte do seu dia, a minha intenção era de poder lhe reconquistar e fazer com que ela volta-se a sentir o mesmo desejo que ela tinha quando nos casamos só que eu não contava que as câmeras fossem gravar as suas traições. 

Não quis acreditei nos que os meus olhos viam, primeiro eu fiquei furioso mas depois de assistir varias vezes aquelas mesmas cenas, eu acabei ficando excitando e gostando de ver a minha mulherzinha dando o rabo para outro. Ela tinha encontros regulares e normalmente eram tão avassaladores que eles nunca chegavam ao quarto, se devoravam no tapete do chão da sala ou rolavam de um sofá para o outro, hora ela tava por cima, hora estava de lado, com as pernas levantadas ou normalmente de quatro. O que me levou a reinstalar as quatro câmeras em pontos estratégicos para ver se eu capturava um melhor ângulo daquela relação e eu capturei, a vadia da minha mulher que sempre negou me dar aquele cu, gostava de ficar de quatro na poltrona e arregaçava a sua bunda para o seu amante enfiar, o cara esculachava o rabo dela sem pena e socava fundo ate o seu pau sair todo cagado daquele rabo, quase sempre ele fazia questão de gozar na cara dela e a vadia se deliciava lambendo toda aquela porra.    

Era duro de aceitar ser o corno da vez, sempre tentei tratar a mulher com carinho e ela reclamava, dizia que doía, que incomodava, que o meu pau era grande e que sentia nojo do gosto da porra mas, ver aquela vadia transando com o seu amante contradizia tudo porque ela fazia e fazia com gosto, nunca imaginei que a minha mulher tive-se toda aquela mobilidade, ela rebola em todas as posições e era nítido que era ela quem fodia com o cara, ele só se limitava em deixar o seu pau duro e quando não agüentava mas, retirava do rabo dela para esporrar na sua cara. 

O que deu para entender nessa historia é que a minha mulher não queria saber de papai e mamãe, ela queria fuder, fazer um sexo carnal e luxurioso, por mais que eu também quisesse meter com vontade no rabo dela, achava que se eu mete-se com força no seu cu eu iria lhe machucar, então chegava com carinho tentando deixar ela o mais relaxada o possível imaginando que se eu a machuca-se, provavelmente ela nunca mais iria querer saber de me dá aquele cu. 

Demorou mais caiu a ficha, eu era um corno e o meu casamento tinha acabado, e o pior é que eu ainda gostava daquela vadia, só me restava então uma única possibilidade de salvar o meu casamento e a minha única duvida era saber se ela continuaria com o seu amante depois dessa minha tentativa. As vezes que ela me flagrou vendo vídeos eróticos, ela se aproximou sorrateiramente como se quisesse ver se eu estava me masturbando e sempre que eu sentia a sua presença ela ia embora como se reprova-se o que eu estava assistindo. Dessa vez o que eu coloquei para assistir foi o vídeo da vadia tomando no cu, perdi algum tempo fazendo cortes nas imagens e juntando uma seqüência de vários dias em quase quatro horas de muito sexo anal. Nos cortes eu procurei poupar apenas o rosto dela mas o seu amante, os moveis e os objetos da sala deixavam claro nas imagens que havia sido na nossa sala e por tanto ela tinha a certeza de que eu sabia quem era atriz porno, quando ela se viu na tela, congelou e por pouco não saiu de fininho como se nada estive-se acontecendo mas eu girei a cadeira e fiquei lhe encarando. Ela foi se aproximando e submissa se ajoelhou ao meus pés, com as costas da mão eu lhe dei uma bofetada que ela caiu esparramada no chão, tentou se levantar mas, num acesso de fúria eu parti para cima rasgando a sua roupa no corpo, nua ela usava os braços para ocultar o seu corpo e eu a puxei pelos cabelos lhe atirando contra a cama, ela se aninhou toda no meio dela mas eu a puxei para a borda, a forcei ficar de quatro e comecei a lhe dar palmadas enquanto lhe introduzia dois dedos na buceta, logo eram três, quatro e em seguida eu já estava forçando a entrada da minha mão. Ela tentou fugir projetando o seu corpo para frente e eu a puxei pelos tornozelos para trás, seu ventre ficou sobre a cama e as suas pernas caíram no chão, abri a sua bunda, dei uma cuspida no seu cu e empurrei sem pena, nem o grito de dor que ecoou abrandou a minha ira e agarrado a sua cintura eu continuei socando sem a menor piedade, meu pau começou a escorregar gostoso lubrificado pela merda que começava exalar o seu cheiro pelo quarto e quando eu estava prestes a gozar a puxei pelo cabelo deixando-a de joelhos na minha frente, ela repulsava colocar a boca no meu pau todo cagado e eu o esfregava no seu rosto forçando ela abrir a sua boca e quando eu comecei a esporrar a sua vadia interior não resistiu e abocanhou o meu pau, sem cerimônia ela se deliciou chupando e limpando o meu pau e me perguntando porque eu nunca tinha lhe amado tão gostoso assim.

É muito estranho mas, entre tantas taras e perversões tem algumas mulheres que gostam de ser tratadas rudemente, não vou dizer que compartilho do mesmo prazer mas me sinto satisfeito em castigar essa traidora, não uso mas as câmeras porque ela já sabe aonde estão instaladas e também nem preciso mais delas para ter a confirmação da sua culpa porque quando eu chego em casa ela faz questão de me contar nos mínimos detalhes como o seu amante comeu o seu cu, só para me deixar irado de raiva e eu lhe possuir violentamente de todas as maneiras.    

 

Gostou? Vote no Conto:

3190 visitas